Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 26 de junho de 2020.
Dia Internacional de Combate às Drogas.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 26 de junho de 2020.

Opinião

CORRIGIR

artigo

26/06/2020 - 16h24min. Alterada em 26/06 às 16h24min

Reflexões em momento de pandemia

Oswaldo Paleo
Nestes dias de confinamento, envoltos na angústia que o momento proporciona, muitas relações estão sendo colocadas a prova e a decisão de sua permanência ou extinção seria mais bem conduzida se entendêssemos o protagonismos que até então exercemos nestes relacionamentos. A relação afetiva entre duas pessoas requer a superação de perdas que a mesma proporcionará. Conforme cita Simone de Boauvouir, “Todo êxito encobre uma abdicação”. Embora sejamos seres sociais aos quais necessitamos exercitar o convívio com os demais lhes incitando o desejo de sermos desejados ainda assim, nos envolvemos em um conflito reptiliano de sobrevivência onde os sentimentos egoístas e individualistas estão presentes em nossas atitudes e comportamentos. A ocorrência desses sentimentos nos leva a nos distanciar daqueles que em determinados momentos se tornam imprescindíveis para atender nossas manifestações emocionais e biológicas.
Nestes dias de confinamento, envoltos na angústia que o momento proporciona, muitas relações estão sendo colocadas a prova e a decisão de sua permanência ou extinção seria mais bem conduzida se entendêssemos o protagonismos que até então exercemos nestes relacionamentos. A relação afetiva entre duas pessoas requer a superação de perdas que a mesma proporcionará. Conforme cita Simone de Boauvouir, “Todo êxito encobre uma abdicação”. Embora sejamos seres sociais aos quais necessitamos exercitar o convívio com os demais lhes incitando o desejo de sermos desejados ainda assim, nos envolvemos em um conflito reptiliano de sobrevivência onde os sentimentos egoístas e individualistas estão presentes em nossas atitudes e comportamentos. A ocorrência desses sentimentos nos leva a nos distanciar daqueles que em determinados momentos se tornam imprescindíveis para atender nossas manifestações emocionais e biológicas.
O caminho de nossa evolução através do autoconhecimento nos retroalimenta de forma suficiente para suprir nossas possíveis carências afetivas e biológicas. Embora a sensação proporcionada pelo maior alinhamento entre tempo, corpo e espírito seja similar a epifania de uma grande ideia, a mesma vem a comprometer a nossa atenção a aqueles que estão em nosso entorno fazendo parte do ambiente em que vivemos.
As pesquisas neurológias reforçam que uma das maiores dores que o ser humano reluta em superar é a dor da indiferença, pois ao longo de nossa evolução temos a compreensão de que para uma sobrevivência longeva precisamos compartilhar nosso ambiente com os outros seres da mesma espécie. Reforça essa proposição o psicólogo Leon Festinger como sendo um dos maiores medos dos seres humanos é o “medo de se perder como objeto de desejo dos outros”.
Como então resolver essa equação conflitante entre o egoísmo evolutivo e o altruísmo compartilhado?
Acredito que possamos abandonar os extremos e nos posicionarmos em algum outro ponto intermediário, porém, evitando o estabelecimento de rotinas contínuas que possam nos levar a uma menos valia daqueles que seria considerado de “nossos melhores momentos”. Assim, nos tornamos mais ouvintes e menos conselheiros, porém plenamente presentes: sentimento, pensamento e atitude quando da troca de afagos e fluídos.
Somos seres sentimentais e ambíguos, relevar e reconsiderar nossas atitudes e daqueles que conosco convivem deve ser o mantra de todo o dia, hora e minuto. Cita J. J. Rosseau, “Se a razão faz o homem é o sentimento que o conduz”. Para que tenhamos uma vida com momentos frequentes de felicidade, temos que intervir em nossas confusas manifestações. Como se propagandeia: “Gratidão gera gratidão”.
Professor, consultor e mentor comportamental
CORRIGIR
Comentários