Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 19 de julho de 2020.
Nelson Mandela Day.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 19 de julho de 2020.

Opinião

Compartilhar

Artigo

- Publicada em 16h53min, 28/05/2020. Alterada em 16h53min, 28/05/2020.

O sério impacto social do coronavírus

João Rocha
A pandemia do coronavírus está afetando todos os segmentos da sociedade, entre eles, as organizações sociais que atendem pessoas com alta vulnerabilidade. Além de toda a situação que envolve a saúde, enfrentamos a recessão da economia e, consequentemente, do poder financeiro e aquisitivo das pessoas e das empresas. Com efeito direto na sustentabilidade dessas instituições que atendem diariamente milhares de pessoas.
A pandemia do coronavírus está afetando todos os segmentos da sociedade, entre eles, as organizações sociais que atendem pessoas com alta vulnerabilidade. Além de toda a situação que envolve a saúde, enfrentamos a recessão da economia e, consequentemente, do poder financeiro e aquisitivo das pessoas e das empresas. Com efeito direto na sustentabilidade dessas instituições que atendem diariamente milhares de pessoas.
A Fundação O Pão dos Pobres é um exemplo dessas organizações. Muito reconhecida por sua atuação em Porto Alegre, transformando a vida de milhares de jovens por meio dos cursos profissionalizantes. São 125 anos de atividades ininterruptas atendendo aqueles que mais precisam. Pelos cursos oferecidos pelo Pão dos Pobres, já passaram milhares de jovens aprendizes, que hoje têm uma nova perspectiva de vida porque se qualificaram e puderam aproveitar as oportunidades que surgiram em seu caminho.
Por ano, são mais de 800 jovens em capacitação técnica e comportamental. Essa entrega de profissionais qualificados para o mercado se dá graças à parceria com as empresas que se identificam com esse propósito de ressignificação de vidas.
O programa de aprendizagem profissional prevê uma dedicação diária nas atividades teóricas e práticas, além de manter os jovens matriculados e frequentes na escola regular. Nesse momento de isolamento social, nossos jovens seguem com suas tarefas sendo desenvolvidas à distância, dando continuidade à sua qualificação.
O Pão dos Pobres tem orgulho de contribuir com a construção desses projetos de vida. Cerca de 70% dos que participam do programa, são inseridos no mercado de trabalho, alguns, pela própria empresa que abriu suas portas para a aprendizagem. É fundamental que as empresas percebam o programa como investimento em profissionais mais qualificados, como forma de exercer sua responsabilidade social, e não como despesa para cumprimento de uma obrigação legal.
O momento é de grande desafio para todos. Todo o empenho que as equipes de trabalho do Pão dos Pobres têm dedicado à formação desses aprendizes está em risco. A interrupção desse programa implica em grave prejuízo para o público atendido e afetará negativamente toda a sociedade. Se de fato acontecer, o que está por vir é um prejuízo incomensurável na vida desses jovens que se alongará muito além da pandemia da Covid-19, causando um grande retrocesso na qualificação profissional e na educação.
Gerente da Fundação O Pão dos Pobres
Comentários CORRIGIR TEXTO