Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de março de 2020.

Opinião

CORRIGIR

Artigo

Edição impressa de 30/03/2020. Alterada em 30/03 às 03h00min

O povo brasileiro tem uma difícil missão

Paulo Kruse
Estamos enfrentando um problema muito sério no Brasil e no mundo com o coronavírus (Covid-19). Essa doença chegou clamando pela união das pessoas para que possamos superar todas as dificuldades. No entanto, o brasileiro carrega consigo uma característica que é impeditiva à união: a falta de educação. E isso acontece nos dois sentidos que essa expressão é compreendida. Consequentemente, lidamos com mais uma "falta" que se reflete fortemente na situação de crise atual: a de tolerância.
Estamos enfrentando um problema muito sério no Brasil e no mundo com o coronavírus (Covid-19). Essa doença chegou clamando pela união das pessoas para que possamos superar todas as dificuldades. No entanto, o brasileiro carrega consigo uma característica que é impeditiva à união: a falta de educação. E isso acontece nos dois sentidos que essa expressão é compreendida. Consequentemente, lidamos com mais uma "falta" que se reflete fortemente na situação de crise atual: a de tolerância.
Precisamos, com urgência, praticar o diálogo de forma educada, estar abertos a ouvir a todos, pois o direito de se expressar, sem proferir ofensas ao próximo, deve ser igual para todas as pessoas. Uma sociedade plural como a de nosso País precisa permitir o direito igual de manifestação ao seu povo, de forma em que a tolerância e o respeito venham em primeiro lugar.
Estamos cientes de que a economia irá sofrer um grande baque. Portanto, precisamos, juntos, saber cobrar que nossos governantes sejam honestos, éticos e corretos. E mais: todos nós, como cidadãos, precisamos cumprir com atitudes básicas, fazendo o uso do bom senso, pensando no que é correto para o bem coletivo. Não há mais espaço para o individualismo.
Passados alguns dias de isolamento da população, o cenário já era de uma crise sem precedentes. As pequenas empresas representadas pelo Sindilojas Porto Alegre, entidade na qual estou presidente, não têm o preparo financeiro para honrar com seus compromissos. Tal fato irá causar muitos problemas aos seus empregados e consequentemente à nossa cidade.
Desde o início da batalha contra o coronavírus, representantes de várias entidades patronais em Porto Alegre tentam ajudar tanto o município quanto o Estado, conversando e se mobilizando para encontrar as melhores ações para todos. Não podemos ficar parados, pois precisamos garantir, o empresariado junto com a municipalidade e com os dirigentes políticos, que as medidas adotadas serão as melhores para não deixar o povo desamparado.
Em momentos como este, é primordial que crenças, predileções, razões e diferenças sejam deixadas de lado, para que consigamos fazer com que o Brasil reme para mesma direção. Somente com essa consciência, com a atitude e o apoio de todos, poderemos reerguer o nosso País. Vamos à luta, juntos, com união e responsabilidade, para darmos a volta por cima.
Presidente do Sindilojas Porto Alegre
 
CORRIGIR