Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de novembro de 2019.
Dia Nacional da Cultura, Dia do Cinema Brasileiro e Dia do Designer.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigos

Edição impressa de 05/11/2019. Alterada em 05/11 às 03h00min

Sabemos qual Estado queremos?

Gabriel Souza
Na biografia que redigiu sobre Steve Jobs - obra de nome homônimo - o jornalista Walter Isaacson conta que Jobs refutava as tradicionais "pesquisas de mercado", utilizadas comumente para conhecer as preferências dos consumidores. Isso não se devia à eventual incapacidade da toda poderosa Apple em custeá-las, mas simplesmente porque Jobs não acreditava que as pessoas sabiam o que iriam querer no futuro. Assim, ele criava os produtos - muitos dos quais, direta ou indiretamente, boa parte da população do planeta utiliza atualmente - sem pesquisar o mercado, mas sim baseado no que acreditava ser útil para as pessoas.
Na biografia que redigiu sobre Steve Jobs - obra de nome homônimo - o jornalista Walter Isaacson conta que Jobs refutava as tradicionais "pesquisas de mercado", utilizadas comumente para conhecer as preferências dos consumidores. Isso não se devia à eventual incapacidade da toda poderosa Apple em custeá-las, mas simplesmente porque Jobs não acreditava que as pessoas sabiam o que iriam querer no futuro. Assim, ele criava os produtos - muitos dos quais, direta ou indiretamente, boa parte da população do planeta utiliza atualmente - sem pesquisar o mercado, mas sim baseado no que acreditava ser útil para as pessoas.
Esse interessante método jobiano nos faz refletir sobre uma pergunta: será que sabemos o que queremos para o futuro? Melhorando a questão, será que sabemos o que iremos precisar no futuro? Arrisco a acreditar que não. E isso não se aplica apenas aos produtos que consumimos, mas também ao País em que vivemos.
A década atual mostra bem isso. Manifestações populares contra governos de esquerda e de direita estão ocorrendo em todas as partes do mundo. Mesmo em um país com indicadores econômicos acima da média continental - me refiro ao Chile - grande parte da sociedade está insatisfeita. Os mais apressados poderiam acusar o modelo liberal daquele Estado, mas logo haveria a resposta que a mesma insatisfação vem ocorrendo nos modelos opostos, como a Venezuela, onde o intervencionista impera.
Afinal, qual a causa dessas insatisfações? E qual o modelo de Estado deveria ser construído para saná-las? Eis as perguntas que ninguém ainda conseguiu responder concretamente.
Em "The Triumph of Injustice" (O triunfo da injustiça), Emmanuel Saez e Gabriel Zucman apontam a injustiça tributária como uma das causas. Proporcionalmente, ricos pagam menos impostos que os pobres, o que aprofunda a desigualdade social. Isso se dá pelo modelo de capitalismo que adotamos - distante do liberalismo clássico - onde os governos acabam por pesar o tributo sobre o consumo, salário e os bens de capital, isentando o lucro, em especial o especulativo.
Eis aqui um grande desafio para a classe política do século XXI: formular um modelo de Estado que, mesmo sem a sociedade conseguir definir exatamente qual seria, possa atender os anseios das pessoas e alcançar a harmonia social.
Deputado estadual (MDB) 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia