Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 02 de outubro de 2019.
Dia Internacional do Notário.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

02/10/2019 - 15h00min. Alterada em 02/10 às 15h10min

Aquecimento global é falso

Ricardo Augusto Felício
A atribuição humana de manipular o clima da terra é absolutamente absurda. Estamos falando de forças de magnitude gigantesca enquanto que a ação humana é uma coisinha minúscula. Nós não controlamos o fluxo de massa e energia do planeta. O interesse (no aquecimento) nisso é geopolítico.
A atribuição humana de manipular o clima da terra é absolutamente absurda. Estamos falando de forças de magnitude gigantesca enquanto que a ação humana é uma coisinha minúscula. Nós não controlamos o fluxo de massa e energia do planeta. O interesse (no aquecimento) nisso é geopolítico.
Você usa do cientificismo para legitimar uma agenda geopolítica internacional, que no caso é o controle das fontes de energia. Sem energia não há desenvolvimento e os bons moços da humanidade, como Alemanha e França, principalmente a Alemanha da dona Merkel fazendo todo aquele discurso, mas não diz para o mundo que ela tem lá na sua terra 14 termelétricas gigantescas que geram uma energia igual a de Itaipu queimando carvão, inclusive o carvão linhito que é tóxico e lança enxofre na atmosfera.
Eles (os países que denunciam o aquecimento global) pagam bons moços como defensores da humanidade quando, na verdade, são os interesses geopolíticos e econômicos nessa trama internacional.
Sobre o desmatamento, eu fiz uma colocação. O INPE gosta de fazer notícias sensacionalistas comparando áreas de desmatamento com duas regiões de Belo Horizonte e São Paulo, mas ele não faz a comparação escalar de quanto é o tamanho da Amazônia. Quando você mostra isso, se vê que é uma coisa ridiculamente pequena de desmatamento, frente ao universo que é a Amazônia. Que por sua vez, em relação ao planeta, é um nada, é 1% da superfície da Terra.
Então, nem sequer o desmatamento está interferindo na floresta e muito menos a floresta interfere no clima do planeta. E para ficar bem claro e bem explícito, a Amazônia não é o pulmão do mundo e muito menos o patrimônio da humanidade. Acreditar nessa bobagem é mesmo que dizer que a Sibéria ou a Cordilheira dos Andes são patrimônios da humanidade. A Amazônia, a Sibéria e a Cordilheira são patrimônios territoriais de seus respectivos países. E estamos conversados.
Professor de Climatologia da USP
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia