Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de setembro de 2019.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

Alterada em 06/09 às 15h03min

Professores de Letras odeiam ler

Eduardo Jablonski
Estou fazendo uma especialização em Leitura e Literatura. Numa das cadeiras, que se chama Leitura, a professora solicitou que se fizesse um memorial de leitura, isto é, que explicássemos como começamos a ler. E eu disse que comecei a ler já adulto, aos 18 anos, quando fui obrigado a ler um clássico da literatura brasileira. Li Memórias de um Sargento de Milícias, adorei e, a partir daí, nunca mais parei de ler. Dos 18 aos 50, leio um clássico, e apenas clássico, de literatura, filosofia, gramática, ensaios de literatura, por semana. Até por isso me tornei professor de Letras e crítico literário.
Estou fazendo uma especialização em Leitura e Literatura. Numa das cadeiras, que se chama Leitura, a professora solicitou que se fizesse um memorial de leitura, isto é, que explicássemos como começamos a ler. E eu disse que comecei a ler já adulto, aos 18 anos, quando fui obrigado a ler um clássico da literatura brasileira. Li Memórias de um Sargento de Milícias, adorei e, a partir daí, nunca mais parei de ler. Dos 18 aos 50, leio um clássico, e apenas clássico, de literatura, filosofia, gramática, ensaios de literatura, por semana. Até por isso me tornei professor de Letras e crítico literário.
Porém meus colegas, todos formados em Letras, disseram coisas absurdas, que seria natural ver numa pessoa que odeia estudar e que jamais faria um curso de graduação. Embora eles sejam professores de português, odeiam ler, não leem, acham isso uma enorme chatice. Num sábado pela manhã, a professora da pós contou isso tudo, e fiquei realmente impressionado. Por que uma pessoa que odeia ler se torna professor de literatura, de português, de língua? Tempos atrás, já tinha ouvido uma professora de Letras afirmar que detestou as cadeiras de Teoria da Literatura e de Literatura Brasileira ou Portuguesa na faculdade, porque tinha de ler e tinha de se deparar com ensaios de crítica literária. Nunca entendi a colocação, mas agora, depois de ver o depoimento da professora sobre os memoriais de leitura, deu para compreender. Mas então por que escolheram Letras? Por que estão fazendo uma especialização em Língua e Literatura numa universidade federal?
Dessa forma, não temos como ter uma educação de qualidade. Imagina, se um professor de Letras odeia ler, então o que sobra para os outros? Um engenheiro também odeia matemática? Um advogado também odeia leis? Será que todos os professores de Letras odeiam livros? A professora ficou impressionada porque quase todos disseram que odeiam ler e em consequência estudar. Será que isso acontece com todo mundo? A realidade dos nossos professores é essa? De odiar ler e estudar?
Deve ser por isso que uma vez fui violentamente criticado por uma colega professora apenas, porque eu disse que passava todo o tempo lendo. Ela achou isso um absurdo e me agrediu por essa razão, como se eu não pudesse ser diferente. Mas por que não se pode ser diferente e gostar do que a maioria odeia? Qual é o mal nisso? Estamos perdidos na educação e fora dela?
Professor
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia