Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

06/08/2019 - 14h35min. Alterada em 06/08 às 14h58min

À espera de um milagre

Roberto Roedel
Em tempos de mercado desaquecido ou crise como muitos preferem, algo precisa ser feito! Em 1999, Tom Hanks estrelava em um filme intitulado: À espera de um milagre. Não obstante, parece ser a realidade de muitas empresas (principalmente pequenas e médias). A culpa é sempre a mesma: o mercado. Será?
Em tempos de mercado desaquecido ou crise como muitos preferem, algo precisa ser feito! Em 1999, Tom Hanks estrelava em um filme intitulado: À espera de um milagre. Não obstante, parece ser a realidade de muitas empresas (principalmente pequenas e médias). A culpa é sempre a mesma: o mercado. Será?
Pensar fora da caixa, além de provocar desconforto, ocupa “muito” tempo e agenda do empreendedor. Nossa cultura (brasileira) é reativa e não proativa. No que tange a propriedade dos nossos negócios e empreendimentos somos orgulhosos. Acreditamos até o fim; que algo mágico possa acontecer e mudar o cenário atual, fazendo com que a empresa não quebre ou permaneça em um estágio “zumbi”. Mesmo que isso signifique colocar o patrimônio pessoal em risco ou contratar advogados das mais diversas áreas. Quebrar, para quem empreende no Brasil, virou algo corriqueiro - vide casos recentes noticiados na mídia. Os motivos são vários, mas este artigo é mais voltado à gestão interna das empresas, e não, fatores externos (governamentais, leis, impostos, etc.).
Contudo, no âmbito da gestão empresarial, muitas coisas podem ser feitas, como exemplo: adotar boas práticas de governança, gestão de riscos, controle do negócio (indicadores), otimizar, enxugar, desinvestir, renegociar, repensar o modelo de negócios, buscar novos mercados ou investidores, unir-se a um concorrente (joint venture), plano estratégico direto ao ponto e sem firulas e por aí afora. É comum o cenário de reuniões nas empresas em que todos se olham, nada é colocado em prática e todos ficam “à espera de um milagre”. Não se assuste, é mais normal do que parece. Mas algo precisa ser feito! Sair da zona de conforto já é um primeiro passo, assim como encarar a Gestão como algo sério e não meramente burocrático. Tente ser o protagonista do seu próprio filme – à espera de um resultado - e se questione a todo o momento. Sucesso nessa jornada!
Administrador de Empresas e consultor
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia