Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de junho de 2019.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigos

Alterada em 04/06 às 03h00min

Neymar e o Congresso Nacional

Luiz Felipe Halal Schuch
Recentemente, duas notícias tomaram os jornais e as redes sociais: a convocação da seleção brasileira para a Copa América, realizada pelo técnico Tite, e as manifestações de apoiadores do governo que defendem a reforma da Previdência e o pacote anticrime.
Poucas são as pessoas no Brasil que duvidam das boas intenções de Tite, Paulo Guedes e Sérgio Moro. Por que, então, não conseguimos voltar a ganhar títulos na seleção nem parar a queda das projeções para o PIB de 2019? O povo já escolheu os seus vilões: Neymar e o Congresso Nacional. As boas intenções dos técnicos brasileiros não são suficientes se o craque da seleção e os grandes astros do parlamento não estiverem com vontade de fazer o País dar certo.
A reforma da Previdência e o pacote anticrime são pautas importantíssimas para a retomada do crescimento do Brasil, tanto economicamente, quanto no sentimento de bem-estar da população. Vemos os brasileiros saindo do País em busca de melhores oportunidades de vida e de mais segurança para suas famílias, enquanto contemplamos o avanço de países, alguns deles vizinhos que, historicamente, têm menos oportunidades que nós.
O Chile teve um crescimento de mais de 26% em seu PIB de 2011 a 2018, focando em pautas liberais e pró-mercado, e uma taxa de desemprego abaixo de 7%; o Brasil, nesse mesmo período, apresentou um avanço de apenas 4,5%, reflexo de um estado inchado, corrupto e ineficiente, e amarga uma taxa de desemprego acima de 12%. A outra informação que surpreende é que, enquanto o Brasil perdia da Alemanha por 7x1, o Chile ganhava duas Copas América, as primeiras de sua história. A reforma da Previdência e o pacote anticrime são o começo. Há de se fazer uma série de reformas para o Brasil passar de promessa para fato. Há uma enorme expectativa entre todos que os próximos anos sejam de criação de empregos, aumento de renda e crescimentos nos índices econômicos e sociais. Estão todos do mesmo lado. Até mesmo os prefeitos e governadores que não simpatizam com o atual governo estão cientes das mudanças que o País precisa para voltar a crescer.
Partner da StoneCapital Investimentos
 
CORRIGIR