Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de maio de 2019.
Dia do Apicultor.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

22/05/2019 - 03h00min. Alterada em 22/05 às 03h00min

Maio, mês da diversidade

Luana Pereira da Costa
O mês de maio é movimentado no que diz respeito à diversidade. No dia 13 de maio é relembrada a Abolição da Escravatura. No dia 21 de maio é celebrado o Dia Mundial para a Diversidade Cultural para o Diálogo e o Desenvolvimento. O Dia Internacional contra a Homofobia é lembrado em 17 de maio. Mas o que tudo isso tem a ver com as relações de trabalho? A demanda por diversidade e inclusão (D&I) no mercado é cada vez mais forte.
Espera-se que as empresas sejam inclusivas tanto na sua comunicação externa, com clientes e fornecedores, quanto na sua dinâmica interna, com seus/suas colaboradores/as. Externamente, a pressão social por D&I afeta a reputação das marcas. Internamente, a ausência de D&I gera problemas de saúde física e mental para as/os colaboradoras/es, além de prejudicar a produtividade e a lucratividade das empresas. Ainda pode gerar futuros litígios que, além de trazerem prejuízos financeiros, contribuem para uma má reputação da marca. Ademais, a diversidade, a inclusão e a representatividade estão estabelecidas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, em especial no 10 - Redução das Desigualdades: "Até 2030, empoderar e promover a inclusão social, econômica e política de todos, independentemente da idade, gênero, deficiência, raça, etnia, origem, religião, condição econômica ou outra".
Vivemos, felizmente, um momento em que grupos historicamente subalternizados estão encontrando eco para vocalizar suas pautas, seja nas redes sociais, nas instituições, nas relações de trabalho ou nas empresas. Participar ativamente desse movimento, combatendo as desigualdades e promovendo ambientes mais diversos e inclusivos, não é somente uma demanda do mercado, mas um compromisso ético com a humanidade.
Advogada
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia