Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

10/05/2019 - 03h00min. Alterada em 10/05 às 09h03min

Reformas e prioridades

Paulo Vellinho
O retorno do crescimento econômico, como forma de reduzir o imenso contingente de mais de 13 milhões de desempregados do País, precisa ser encarado como a prioridade número um dos governantes pois não se pode aceitar a continuidade desta verdadeira tragédia nacional. Um primeiro passo já está sendo dado, representado pelo encaminhamento das reformas estruturais, iniciando pela da Previdência Social e, na sequência, a Tributária, entre outras.
Mas, paralelamente, a geração de postos de trabalho em larga escala já pode ser implementada de forma imediata, através dos leilões de concessões e da agilização das Parcerias Público-Privadas - PPPs.
Uma rodada inicial já vem demonstrando o interesse dos investidores nacionais e estrangeiros, como no caso das reservas de petróleo, além de aeroportos, terminais portuários e ferrovias, sinalizando o grau de confiança que depositam na recuperação da economia brasileira.
Porém, o potencial a ser aproveitado é infinitamente maior, representado por milhares de obras que ficaram no meio do caminho devido à falência do setor público nos níveis municipal, estadual e federal, abrangendo as mais diferentes áreas da sucateada infraestrutura de transportes e logística assim como os deficientes serviços urbanos - com ênfase para a habitação, mobilidade e saneamento básico.
Por certo haverá capital privado disponível para a conclusão de tais projetos - desde que viáveis, oferecendo rápido retorno às administrações públicas e, principalmente, fazendo girar a roda da economia com a consequente absorção de mão de obra que foi expulsa do mercado de trabalho pela irresponsabilidade de governantes anteriores.
Empresário
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia