Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 08 de maio de 2019.
Dia do Profissional de Marketing.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Edição impressa de 08/05/2019. Alterada em 08/05 às 03h00min

A deforma da Previdência Social

Nelson Wild
A Federação dos Trabalhadores Assalariados Rurais do RS (Fetar) se posicionou de forma contrária à reforma da Previdência Social da maneira como foi apresentada pelo governo federal.
Desta forma, ela não traz benefício aos trabalhadores rurais (agricultores, pecuaristas e assalariados rurais), mas sim pretende uma Deforma dos benefícios. A reforma contém artigos que são altamente preocupantes para os assalariados rurais, com prejuízos a curto, médio e longo prazos. O primeiro deles é o Projeto da Desconstitucionalização dos Direitos, retira da Constituição Federal direitos e garantias dos trabalhadores. Num segundo momento, a reforma propõe a capitalização, hoje se tem uma Previdência Social pública em que assalariados rurais e urbanos, agricultores e pecuaristas familiares contribuem para a previdência pública e, com isso, acessam aos benefícios (previdência, seguridade social, assistência e saúde). O projeto de Capitalização prevê a contribuição para um fundo via instituição bancária sem quaisquer garantias de quando e quanto o trabalhador receberá.
Para nós, isto de forma nenhuma serve. A Fetar defende a previdência pública, de qualidade e que coloque à disposição, desde que se contribua, os benefícios que se necessitar, como auxílio-doença, acidente de trabalho, salário-maternidade, auxílio-reclusão, pensão e aposentadoria. O terceiro agravante diz respeito às mulheres trabalhadoras rurais, que de acordo com o projeto deste governo neoliberal, que tem a visão de favorecer os grandes conglomerados financeiros do mundo, faz com que as mulheres tenham que trabalhar e contribuir por mais cinco anos. A Fetar, que entende que o assalariado rural trabalha numa grande indústria a céu aberto, portanto sofre todo tipo de intempérie (sol, chuva, vento e frio), provoca um desgaste físico tremendo. E a mulher, que tem uma tripla jornada, ainda trabalha em igualdade de condições ao homem. Se aprovada a reforma, será um retrocesso.
Presidente da Fetar-RS
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia