Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de abril de 2019.
Dia do Obstetra.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Edição impressa de 12/04/2019. Alterada em 12/04 às 03h00min

Dunnung-kruger versus conscienciosidade

Marcelo Borges Rodrigues
Engana-se quem pensa que é na ignorância absoluta que reside o maior mal da atualidade. Muito pior tem sido o alastramento do efeito Dunning-Kruger, isto é, as pessoas que pouco (mas algo) sabem, e não sabendo que sabem tão pouco, pensam que seu conhecimento é suficiente para sustentar decisões de questões importantes. De pessoas contrárias a vacinas, passando por dados inventados sobre despesas públicas até apoio a regimes coletivistas totalitários, o Dunning-Kruger tem sido reforçado porque o temor de estar errado e, portanto, sozinho, tem sido enfrentado pelo suporte de bolhas protetoras nas redes sociais, com grupos de similares reafirmando crenças equivocadas, que parecem corretas a quem leu até a página cinco, mas são erradas para quem leu pelo primeiro capítulo inteiro. Precisamos combater isso e a forma mais eficiente é espalharmos o conceito e a construção da conscienciosidade entre as pessoas. Conscienciosidade é a característica que permite de modo prudente e meticuloso melhor compreender o que é causa e consequência, aquilo que Schopenhauer entende ser a maior capacidade cognitiva humana. Quanto mais refletimos e retiramos da transparência do dia a dia os elementos para entendermos o que causa os efeitos e, por consequência entendermos como resolver problemas atacando suas raízes, menos precisaremos de leis (até) bem-intencionadas, mas ineficientes, que tentam coibir comportamentos quotidianos, enquanto o ideal seria termos uma população consciente de seus atos. Quantos problemas seriam resolvidos e quanto menos ansiosa seria nossa população se entendêssemos profundamente a diferença de "eu quero" e "eu preciso"? A nova economia que se avizinha exigirá dos profissionais não mais apenas a capacidade de repetir atos em uma linha de produção de modo eficiente, mas sim as capacidades de ser criativo, de resolver problemas, de ter análise crítica e de ser empático, o que são habilidade próprias da pessoa conscienciosa.
Superintendente Centro-Sul/Amcham Brasil
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia