Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de abril de 2019.
Dia da Engenharia.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Alterada em 10/04 às 03h00min

Medidas provisórias, ataques permanentes

Claudio Janta
Falar em trabalho no Brasil, hoje, diz mais respeito à pauta dos empresários que às demandas da classe trabalhadora ou o papel social do trabalho. Sobre a reforma da Previdência, já se sabe que será necessário trabalhar mais; sobre a carteira verde e amarela, em piores condições; e diante da extinção do sindicalismo, em total desamparo para construir qualquer avanço.
A reforma trabalhista sacramentou a prevalência do negociado sobre o legislado. Se o intuito era enfraquecer o amparo da CLT sobre os trabalhadores, o último movimento das suas entidades de representação diante da medida provisória que sepulta os sindicatos, deve ser a liberdade de negociar o custeio diretamente com as empresas. Somente aos maus patrões interessa o desfecho de uma longa campanha antissindical, que ameaça colocar fim ao trabalho sério de entidades como o Sindec-POA - maior sindicato da iniciativa privada do Estado e que fechou as suas portas, suspendendo serviços prestados há 87 anos para um contingente, hoje, de 100 mil trabalhadores.
Não ficaremos passivos em relação a um governo que promove reformas para extinguir direitos quando deveria atacar privilégios. Que edita medidas contra a autonomia de organização da sociedade civil, sem intervir na irresponsabilidade da iniciativa privada, como em Mariana e Brumadinho. Não vamos aceitar que uma medida arbitrária e inconstitucional estabeleça o fim do direito de defesa e de luta dos trabalhadores.
Vereador (Solidariedade) de Porto Alegre e presidente da Força Sindical-RS
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia