Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de março de 2019.
Dia contra a Discriminação Racial.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Edição impressa de 21/03/2019. Alterada em 20/03 às 01h00min

Cadastro Positivo ajudará consumidor?

Domingos Monteiro
O Cadastro Positivo, como foi aprovado pelo Senado, poderá ser uma grande ferramenta para expandir o crédito. Simulações do Banco Mundial indicam que a inadimplência do crédito cairia de 3,37%, sobre empréstimos concedidos com base apenas informações negativas, para 1,84% de inadimplência para informações negativas e positivas. No entanto, o Cadastro Positivo por si só não garante automaticamente uma queda dos juros e do spread bancário, se o sistema financeiro não o usar de forma apropriada. Para que isso ocorra, as instituições terão que oferecer crédito individualizado, usando a ferramenta para adequar suas ofertas ao perfil de cada um dos consumidores - e isso será um desafio para as instituições mais tradicionais. O sistema financeiro já dispõe de várias ferramentas para identificar o perfil do tomador de crédito e continua ampliando os investimentos em análise de dados. Essas soluções, porém, não são utilizadas hoje para a redução da taxa de juros. Servem, somente, para a garantia de concessão de crédito, o que acaba levando o bom pagador para a vala comum no que se refere aos juros.
O Cadastro Positivo pode, efetivamente, resultar em redução do spread, porém esse movimento será mais natural no caso das fintechs de crédito que podem capitanear esse movimento a partir de uma análise mais completa, abrindo caminho para instituições dispostas a trabalhar com juros variáveis. Em suma, vai ganhar mercado quem visar também a redução do custo do dinheiro e não apenas a redução da inadimplência.
Especialista em Inteligência Artificial
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia