Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de março de 2019.
Dia do fuzileiro naval.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

28/02/2019 - 01h00min. Alterada em 28/02 às 01h00min

Vamos cantar o Hino Nacional sim!

Tarso Francisco Pires Teixeira
Parte da mídia tradicional assumiu oposição aberta e hostil ao novo governo, em detrimento da objetividade jornalística. Só isso poderia justificar a maneira com que foi tratada a proposta do ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodriguez, de que as escolas realizassem sessões cívicas na abertura do ano letivo, cantando o Hino Nacional e filmando as atividades. O ato foi descrito como autoritarismo e partidarização do ensino público.
Acredito que a proposta é, sim, vergonhosa. É constrangedor que um colombiano tenha mais noção de brasilidade que muitos brasileiros natos. Fui formado em um tempo no qual havia sessões cívicas para cantar o Hino Nacional e outros hinos pátrios - Hino à Bandeira, Hino da Independência e o lindíssimo Hino da República, que quase ninguém mais conhece.
Ouso dizer que minha geração foi das poucas a ainda conservar a noção do bem coletivo. Onde o patriotismo não é valorizado, o pertencimento cultural se esvazia, o senso comunitário desaparece e impera a cultura do individualismo. Essa tragédia moral é a mãe de outras tragédias, como a corrupção, a precariedade cultural e a inversão de valores - coisas que só são recuperadas através da educação.
O problema é filmar as crianças? O que mais se faz nas escolas é filmar atividades para colocar nas redes sociais. Quando a recomendação emana do MEC, aí passa a ser ruim? A acusação de partidarismo não se sustenta. Antes de ser o lema da campanha de Bolsonaro, a frase "Brasil acima de tudo" já era uma divisa militar conhecida. Partidarismo, sim, é praticado há anos por professores de esquerda dentro de salas de aula sem que isso gere a mesma indignação da mídia.
O eleitor de Jair Bolsonaro quer, justamente, um choque de civismo, por saber que a corrupção, antes de ser um mal político, é fruto de uma crise moral, que só pode ser combatida com patriotismo e educação baseada na honra. Assim, construiremos o Brasil que queremos. "Verás que um filho teu não foge à luta, Pátria Amada Brasil!".
Presidente do Sindicato Rural de São Gabriel e vice-presidente da Farsul
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Edghar Martins 07/03/2019 16h43min
1. Ao menos 1x/semana escolas públicas/privadas do fundamental são obrigadas a tocar nosso hino (Lei 5.700, de 1º de setembro de 1971). Não é necessário o ministro recomendar coisa alguma: a Lei assim já o EXIGE.n2. O que o ministro do Presidente Bozonaro queria é que recitassem o slogan de campanha dele.nO autor do texto confunde público c/privado, pisoteia o idioma pátrio, esbofeteia a análise textual, desconhece nossa legislação e ousa tentar dar lições de civismo e patriotismo. Vergonha!
Clara Luz 06/03/2019 21h29min
500 caracteres é pouco pra tentar explicar o quão errôneo é seu artigo. Primeiramente "Brasil acima de todos e DEUS acima de tudo" além de ser um slogan eleitoral que não pode ser utilizado em comunicações oficiais (proibido pelo artigo 37 da constituição) é também contra o principio do que o estado é laico, além de que filmar menores de idade sem autorização é contra estatuto da criança. O problema não é o hino mas a situação que o pais se encontra para o governo se preocupar com propaganda.
adão da silva moraes 01/03/2019 14h12min
????