Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Edição impressa de 13/02/2019. Alterada em 12/02 às 01h00min

Cadeia leiteira sob risco

Zé Nunes
Os produtores de leite iniciaram 2019 preocupados. A crise que se arrasta por anos tem pouca perspectiva de melhora. A notícia mais recente é da decisão do governo federal de encerrar a medida antidumping que beneficiava a produção nacional, estabelecendo tarifas para leite em pó da Nova Zelândia e da União Europeia, em 3,9% e 14,8%, respectivamente. Essa medida diminui a competitividade do produto nacional e fragiliza ainda mais a situação dos agricultores que são o elo mais fraco da cadeia.
Aqui no RS, nos últimos anos, houve estímulo à importação de leite em pó, decisão que proporcionou aumentar a entrada de leite no Estado, estabelecendo forte concorrência com o produto do Uruguai. Embora o Decreto nº 53.942/2018 tenha suspendido os efeitos por um período, logo voltará a ser aplicado o diferimento.
Na mesma perspectiva, a cadeia leiteira foi prejudicada por setores que atuaram para enfraquecer a legislação aprovada por unanimidade no Parlamento gaúcho, que visava fortalecer a cadeia: Instituto Gaúcho do Leite (IGL), Fundoleite e Prodeleite.
A produção de leite é fundamental para a economia do RS. Segundo a Emater, a cadeia leiteira gaúcha existe em 173.706 propriedades rurais, dos quais 65.202 vendem para indústrias, cooperativas ou queijarias, ou processam a produção em agroindústria própria. Está presente na maioria dos municípios, a área média das propriedades é de 19,1 hectares, portanto, com base da agricultura familiar. Estima-se que o volume de leite produzido no RS seja de 4,47 bilhões litros por ano.
Diante da situação, fizemos um apelo ao governo que coloque a defesa do setor como prioridade, protegendo e estimulando a produção familiar e fortalecendo as instituições criadas. Defendemos que o governador revogue o Decreto que estimula a importação e que exerça pressão em Brasília para reverter decisão antidumping atuando em defesa da produção nacional.
Deputado estadual (PT)
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia