Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 14 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Edição impressa de 14/01/2019. Alterada em 13/01 às 01h00min

Plantio de florestas, uma prioridade

Walter Rudi Christmann
O Plano Nacional de Desenvolvimento de Florestas Plantadas - PlantarFlorestas, com ações previstas para os próximos 10 anos, lançado no apagar das luzes do governo Michel Temer (MDB), tem como objetivo aumentar em 2 milhões de hectares a área de cultivos comerciais. Atualmente, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a área cultivada chega a 10 milhões de hectares, com destaque para o eucalipto, pinus e acácia. As florestas plantadas estão localizadas principalmente em Minas Gerais, Rio Grande do Sul, São Paulo e Mato Grosso do Sul.
O Plano evidencia o interesse das autoridades em relação ao plantio de florestas tendo em vista a ampliação da disponibilidade de matéria-prima especialmente para a fabricação de celulose, que se constitui num dos produtos líderes na pauta de exportações brasileiras.
No Rio Grande do Sul reunimos condições de solo e clima altamente favoráveis para o plantio e temos disponibilidade de áreas para este fim, notadamente na Metade Sul. Mas, para que o Estado possa vir a sonhar com uma nova unidade industrial de celulose, precisaria iniciar imediatamente o plantio de novas florestas pois a matéria-prima só estará disponível em sete a oito anos. Minas Gerais e Paraná estão saindo a frente na aquisição de áreas para este fim de olho em investidores estrangeiros, como a China, que é grande importadora de celulose.
A implantação de novas florestas no Rio Grande do Sul também depende do equacionamento de obstáculos como a limitação da posse de terras por estrangeiros na faixa de fronteira e a necessidade de flexibilização do regime de parcerias com os proprietários das áreas.
O Sinpasul tem expectativa favorável em relação à política que o governador Eduardo Leite (PSDB) adotará para o setor em vista da contribuição que poderá oferecer para o desenvolvimento da economia gaúcha.
Presidente do Sinpasul
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia