Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de novembro de 2018.
Dia do Hoteleiro.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

09/11/2018 - 01h00min. Alterada em 09/11 às 01h00min

Razão e coerência

Edson Brum
O Brasil viveu, em 2018, uma das mais acirradas disputas eleitorais da sua história recente. Ânimos exacerbados, grande profusão de notícias falsas, trocas de acusações e até amizades rompidas. Aconteceu assim em todos os estados. No Rio Grande do Sul não foi diferente. Agora, porém, é chegado o momento de deixarmos de lado as paixões, de aceitar os resultados das urnas, mesmo os resultados que não contemplaram as nossas convicções pessoais. A hora é de razão e coerência.
O governador eleito Eduardo Leite tem pela frente grandes desafios, e a maioria desses obstáculos passa pelo problema nevrálgico que assolou as últimas administrações: muitas contas, poucos recursos. Se a solução fosse simples, se dependesse somente de boa vontade, certamente este descompasso já teria sido afinado há muito tempo, pois de certo não houve governador que não tenha desejado entregar ao seu sucessor uma administração em boas condições. Que não se espere uma bala de prata, uma recuperação fenomênica; não existe uma fórmula mágica. Num futuro imediato, aguarda-nos a continuidade de remédios já experimentados: enxugamento da máquina pública, negociação de ativos, privatizações e, claro, revisão de impostos. Não duvido que o Executivo instalado no Palácio Piratini a partir da virada do ano contará com toda a boa vontade política dos 55 deputados estaduais, sobretudo daqueles que compuseram a base do governo Sartori. Afinal, não são projetos antagônicos e seria incoerente rejeitá-los por si, sob a motivação do revanchismo político.
No caso das alíquotas tributárias, entretanto, é natural que eu me posicione ao lado do setor produtivo. Não por uma mera postura oposicionista, mas por coerência à minha própria trajetória pública. Sou deputado estadual há quatro mandatos e tive a honra de ser conduzido, agora, ao quinto. Neste período, jamais votei a favor do aumento de impostos e é assim que me manterei.
Deputado estadual/MDB
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia