Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de novembro de 2018.
Dia Nacional da Cultura, Dia do Cinema Brasileiro e Dia do Designer.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

05/11/2018 - 01h00min. Alterada em 05/11 às 01h00min

Falsificações

Vilnei Maria Ribeiro de Moraes
A falsificação, por definição, representa o ato de copiar ou reproduzir ou adulterar, sem autorização, documentos, produtos ou serviços, de forma a obter vantagem, geralmente econômica. Para evitar falsificações foi criada uma legislação internacional para impedir a cópia de produtos patenteados ou inventados por outrem.
No entanto, são tão variadas as fontes de informação da atualidade e tão perspicazes as individualidades ao redor do mundo; que se torna difícil identificar, quem copia de quem, e qual o organismo mundial com autoridade e dignidade suficientes para punir eventuais transgressores. Parte do grande desenvolvimento chinês se deve à produção de produtos similares aos consagrados em outros países. Em recente declaração o fundador da Alibaba, rede de comércio on-line da China, afirma que falsificações às vezes são melhores que o original, mas garante que sua empresa gostaria de impedir o comércio de produtos falsos: "O problema é que os produtos falsificados, hoje, têm mais qualidade e preços melhores que os verdadeiros".
Evidentemente que nada detém a evolução do pensamento humano. Vejamos, por exemplo, quantas cópias houve do automóvel a gasolina desde que foi patenteado em 1886 pelo alemão Karl Benz e trafegava a oito quilômetros por hora. As máquinas maravilhosas da atualidade não nasceram prontas, elas foram aperfeiçoadas a cada nova necessidade ou ideia.
O princípio moral é menos lucrativo ao respeitar patentes e invenções. No entanto, são os países pobres que mais pagam royalties eis que, impedidos de investir em tecnologia própria, não suprem as suas demandas, nem geram excedentes de qualidade para exportação.
O direito de usufruir de algo começou quando as pessoas tinham que pagar ao rei para usar os minerais nas suas propriedades. Pouca gente conhece a face da realeza atual, com muitas permissões e patentes. Não entende que todo trabalho e matéria-prima servem ao corporativismo desse poderoso monarca de grande gula e imenso apetite financeiro.
Engenheiro civil, Santa Maria/RS
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia