Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 31 de outubro de 2018.
Dia das Bruxas.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

31/10/2018 - 01h00min. Alterada em 31/10 às 01h00min

Brain Drain

Menin Teixeira de Souza
Usei deliberadamente a expressão inglesa no título desse depoimento, em substituição à equivalente "drenagem de cérebros" da nossa bela língua portuguesa, porque é com ela que o fenômeno tem sido reconhecido neste mundo globalizado atual. O Brasil, de forma muito mais marcante do que qualquer outro país de características e dimensões semelhantes, está assistindo, atônito, um movimento sem precedentes de fuga de cérebros para o exterior, entendidos estes como a identificação de indivíduos mais qualificados e melhor educados, ainda nos estágios iniciais de sua vida produtiva. Como brasileiro enraizado que sou - daqueles que nunca se imaginaram deixando o País - tenho refletido sobre isso. A evasão de cérebros brasileiros tem características diferentes na maioria dos casos. Estes, não buscam um aprendizado temporário e nem costumam programar o seu retorno. Um grande número deles já parte disposto a se integrar aos países para onde vão, abertos à constituição de famílias por lá e admitindo a aquisição de nova nacionalidade. Observo esse movimento com preocupação, não só pelas causas que associo ao êxodo, como também pelos efeitos que ele produz na nossa economia. Identifico na raiz do problema certo sentimento de desalento entre os jovens brasileiros ou mesmo entre alguns mais maduros e melhor qualificados. Para estes, o sentimento dominante é de que, ficando no Brasil, seriam subaproveitados, perderiam melhores oportunidades profissionais ou teriam pior qualidade de vida, para si e para os seus filhos. Para deter a evasão, temos que, antes de qualquer providência, buscar a convergência de propósitos e interesses, no campo político e doutrinário. E passarmos a considerar o nosso País como sendo a terra de oportunidades para uma vida próspera e feliz, situação a ser perseguida como propósito de todos os brasileiros unidos em fraternal harmonia. Não há receita alternativa.
Presidente do Conselho de Administração da MRV Engenharia
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia