Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de setembro de 2018.
Aniversário da cidade de Viamão.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Alterada em 14/09 às 01h00min

Ensinar pelo exemplo

Gilkiane Cargnelutti
Estamos vivendo dias de incerteza em nosso País. A inversão de valores começa a apresentar suas principais consequências, que é a desestruturação familiar e o aumento da violência na sociedade. A falta de oportunidade é um agravante para que milhares de pessoas sejam submetidas à marginalidade. Não podemos ignorar que os índices de desemprego continuam altos e que o governo não assumiu a responsabilidade prevista na Constituição de oferecer condições para que as pessoas vivam com dignidade. Mesmo que as circunstâncias não sejam boas, vale a pena acreditar no amanhã. Talvez as nossas crenças não estejam na moda, mas se seguirmos os passos de líderes que revolucionaram o mundo com a verdade, vamos experimentar uma mudança de referências que refletirá em nosso comportamento. Possivelmente a grande diferença entre essas personalidades e a nossa geração seja exatamente convencer pelo exemplo. Servir antes de ser servido, ouvir primeiro para depois falar, não julgar sem conhecer as feridas que cada indivíduo carrega no corpo e na alma. Chegamos ao momento crucial de começarmos a semear tolerância para colhermos pessoas mais altruístas e que saibam se colocar no lugar do outro. Se hoje somos um dos países mais deprimidos do planeta, com 9,3% da população sofrendo de ansiedade e com o Rivotril sendo o segundo remédio mais vendido no Brasil, dados da Organização Mundial de Saúde, todos contribuímos para que a tristeza se espalhasse como uma epidemia. Nem todas as pessoas querem o nosso dinheiro, muitas vezes precisam apenas de atenção. No entanto, se as atitudes não são afetuosas, vãs são as palavras. Invista na felicidade, substituindo medicamentos por pílulas de cuidado e demonstrando preocupação e interesse pelas pessoas que só podem oferecer um sorriso ou sua dor.
Jornalista
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia