Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de agosto de 2018.
Dia Nacional do Bancário.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Edição impressa de 28/08/2018. Alterada em 28/08 às 01h00min

Retomada do destaque em leilões de energia

Susana Kakuta
Desenvolvimento. É o que representa a assinatura do acordo entre Eletrosul, Shanghai Electric e Zhejiang Energy, nesta segunda-feira. O documento estabelece as condições da parceria para a criação da Sociedade de Propósito Específico (SPE), que será responsável pela implantação e operação de empreendimentos de transmissão de energia no Rio Grande do Sul. São R$ 3,967 bilhões para viabilização dos projetos que compõem o Lote A, resultante do leilão nº 004/2014, realizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).
Como governo, atuamos na articulação de diferentes agentes a nível federal, como, por exemplo, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e a própria agência reguladora. Além disso, atuamos localmente para prover informações estratégicas para esse investimento e dar celeridade aos processos de licenciamento ambiental.
Viabilizar o Lote A é fundamental para garantir, por um lado, infraestrutura para a transmissão, através da realização de uma série de empreendimentos. Por outro, representa a possibilidade de aumento na oferta de energia em 4 gigawatts, além da geração de cerca de 11 mil empregos diretos e indiretos, numa área de influência que atinge 59 municípios. A construção de 1,9 mil quilômetros de linhas de transmissão vai trazer desenvolvimento ao Estado. A execução dessa obra, que é aguardada há quatro anos, será fundamental para viabilizar o escoamento de energia de futuros parques eólicos e de projetos termoelétricos no Estado. Quando os empreendimentos entrarem em operação comercial, os projetos gaúchos, que há algum tempo não vêm sendo contemplados nos leilões de energia, voltarão a ser competitivos.
O Lote A amplia a nossa capacidade de geração de energia limpa a partir de fontes como eólica, biomassa e solar. Devolve ao Rio Grande do Sul o papel de protagonista, gerando emprego, renda e melhorando a qualidade de vida dos gaúchos.
Secretária Estadual de Minas e Energia
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia