Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 29 de agosto de 2018.
Dia Nacional do Combate ao Fumo.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Edição impressa de 21/08/2018. Alterada em 21/08 às 01h00min

Por que o Rio Grande do Sul cresce menos?

Hernane Cauduro
É fato notório que o Rio Grande do Sul vem perdendo posição no ranking dos estados com maior participação no PIB brasileiro - particularmente, em relação a Paraná e Santa Catarina. O que não obtém consenso entre os analistas do problema diz respeito às suas causas. Uma delas, no entanto, parece ser clara: trata-se da dificuldade no acolhimento de propostas do setor produtivo que, ao invés de benefícios indevidos, constituem-se em medidas de estímulo ao crescimento gaúcho.
Exemplar, em tal sentido, é o início de implementação, em São Paulo, do Programa de Estímulo à Conformidade Tributária que institui regras para agilizar a devolução de créditos de ICMS aos fabricantes de máquinas e equipamentos com uma dotação inicial de R$ 2,3 bilhões. Isso porque programa similar já havia sido sugerido ao governo rio-grandense em 2017, objetivando a liberação dos créditos de ICMS das empresas que seriam usados para compra de matéria-prima e modernização do parque de máquinas das indústrias através da sua aquisição junto a fornecedores locais. Além de incrementar a venda desses bens num período de forte retração do mercado ocasionado pela recessão da economia, representaria um passo importante para atualização das instalações das empresas industriais do Rio Grande do Sul, usando recursos destes créditos para dinamizar a economia local.
Destaque-se ainda que o aumento de atividade do setor viria em muito boa hora, já que enfrenta a pior recessão da história, e haveria uma saudável geração de postos de trabalho ao longo de sua extensa cadeia produtiva - em grande parte a ser preenchidos por profissionais de elevada qualificação.
Vice-presidente da Abimaq-RS
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
oneide teixeira 29/08/2018 16h11min
O Tratado de Versalhes que a Alemanha teve que assinar é muito pior que o federalismo que é imposto ao Rio Grande do sul, na verdade não é um federalismo somos súdito de uma republica.. nEm 14 anos o RS perde um "pib" 350 bilhões r$ para a União, por isso que somos pobres.
Francisco Berta Canibal 22/08/2018 07h44min
O Rio Grande do Sul precisa de um projeto de Zepex ou Uma Zona de Livre Comercio, e começa com a construção de um Porto em Tramandaí. Além disto é urgente a duplicação da BR-290, com a construção do Túnel dos Andes. E mais a imediata iniciativa da ligação Ibicuí-Jacuí, além de se admitir o crescimento do setor de celulose, que tem havido uma certa resistência. A fruticultura, a suinocultura a avicultura e a bacia leiteira, deveriam ter mais atenção dos governos. Sem maiores delongas ....