Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de agosto de 2018.
Dia do Folclore.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

20/08/2018 - 01h00min. Alterada em 20/08 às 01h00min

O Brasil não merece o Joaquim

Antônio Carlos Côrtes
Regozijo-me em perceber que, finalmente, o Brasil começa a reconhecer o peso histórico da escravização e da discriminação racial, que sempre foi marca da sociedade. Há um avanço ao aceitar o debate, aceitar a existência do problema. Falta enfrentá-lo de maneira efetiva (Joaquim Barbosa).
Faço alusão na frase título à música Querelas do Brasil composta por Maurício Tapajós e Aldyr Blanc, e tornada definitiva por Elis Regina, em 1978, dura análise Aquarela do Brasil do Ary Barroso que imaginava pintura do Brasil sem problemas.
Querelas deixa claro que o "Brazil" não conhece o Brasil, e o "Brazil" tá matando o Brasil. A utilização da letra com palavras de origem indígena e africana fazem eco ao valor cultural da gente que construiu o Brasil. O pensamento à epígrafe e da altura do ministro Joaquim. Efetivamente, com ele à frente, o mensalão deu o primeiro passo às mudanças no Brasil. Lembro que o escritor José Luiz Pereira da Costa, em 1993, falava das Universidades Negra que surgiram no continente africano há mil anos e que, quando da abolição da escravatura nos Estados Unidos, os negros norte-americanos já haviam criado nove universidades e, em 1993, esse número já alcançava cerca de 120. Enquanto isto, no Brasil, os negros sequer passavam pelas calçadas das universidades. Lupicínio Rodrigues foi Bedel da Faculdade de Direito da Ufrgs. Mesmo que o negro Alcides Cruz fosse um dos fundadores e professor da Faculdade de Direito de Porto Alegre, hoje Ufrgs - aliás, em boa hora a Assembleia Legislativa e o Instituto Histórico e Geográfico do RS recuperam, hoje, sua memória no livro Perfil parlamentar.
A simples possibilidade de o ministro Joaquim Barbosa ser candidato à presidência da República (depois desistiu) já possibilitou que os racistas, segregacionistas e preconceituosos tecessem severas críticas a ele. Não admitiam a hipótese de alguém oriundo da Senzala ocupar a Casa Grande. Esqueceram (?) suas muitas virtudes e pinçavam argumentos pífios, como que não saberia governar sem coligações. Querem, no fundo, esses arautos que tudo permaneça como está. Infelizmente, o Brasil de hoje ainda não merece Joaquim Barbosa.
Escritor
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Plínio Mósca 22/08/2018 09h23min
"O Brasil não merece o Joaquim Barbosa ou A vergonha em relação ao nosso passado nos impede de ver o Brasil contemporâneo". Está brilhante o artigo do advogado, pensador sobre as culturas populares e membro do Conselho Estadual de Cultura do RS, Antônio Carlos Côrtes. Com frases exatas de sua lavra somos informados sobre as sutilezas do ódio que é semeado pelos brasileiros preconceituosos. Etnofóbicos, racistas e perigosamente criminosos. Que os brasileiros passem a conhecer melhor o Brasil.