Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de julho de 2018.
Dia de Proteção às Florestas .

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

17/07/2018 - 01h00min. Alterada em 17/07 às 01h00min

Água bem tratada

Vilnei Maria Ribeiro de Moraes
Quase todos já ouviram a frase: "Dessa água não bebo!". No entanto, ao se conhecer o tratamento da água para consumo humano, com base nas Normas Brasileiras que seguem padrões internacionais, é possível contrapô-la com outra: "Dessa água eu bebo sim!". A legislação brasileira é uma das mais completas do mundo, mas persiste o imperativo de atualizações constantes e de regras específicas ao tratamento físico-químico de efluentes industriais e à poluição gerada por agrotóxicos nas lavouras.
Todo dia surge o assunto da exiguidade de fontes de água potável em muitos lugares da Terra, por isso, algumas pessoas, mesmo estando aquém dos centros decisórios, cuidam da água por vocação, por profissão e pela consciência cidadã que se reflete na saúde dos consumidores e do meio ambiente.
As cidades não nascem prontas e na sua expansão surgem alguns contratempos. Aquele sujeito sujo de barro numa vala qualquer da cidade é um desses despercebidos heróis anônimos que é convocado ao conserto cada vez que surge um vazamento. No dia seguinte, talvez com certo pesar, ele vê manchetes caluniando seu serviço como se fenômenos físicos; dilatação, vibração, ondas de choque, fossem totalmente evitáveis a custos compatíveis com a nossa realidade social.
Para os operários da água bem tratada é motivo de orgulho a capacidade de levar água potável às pessoas quando o lixo, os inseticidas, o desmatamento, a superpopulação - e toda ganância produtiva - poluem rios, riachos, nascentes e lençóis freáticos. Muita gente ganha dinheiro agredindo o meio ambiente, mas todos nós estamos em perigo na face da Terra enquanto a sociedade só pensar em possuir e destruir. Preservação e recuperação ambiental estão jogadas no baú das esperas para um futuro aleatório. Por tudo isso é muito digno quando o saneamento básico devolve à natureza um pouco da água cristalina que ainda faz cantar os córregos da nossa memória.
Engenheiro civil, Santa Maria/RS
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia