Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de julho de 2018.
Dia do Comerciante .

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 13/07/2018. Alterada em 13/07 às 01h00min

Hidrovias, a última fronteira

Wilen Manteli
O recente movimento dos caminhoneiros expôs, de novo, a dependência do Rio Grande do Sul em relação ao modal rodoviário. Aqui, 90% das cargas são movimentadas por caminhões que trafegam em nossas deficientes rodovias. Com isso, o custo da logística gaúcha corresponde a quase 20% do PIB; no País, 12%. Por falta de gestão, em torno de 500 quilômetros de hidrovias encontram-se inviabilizadas para a navegação. Para o Estado retomar o desenvolvimento de forma sustentável impõe-se que a administração pública e a sociedade se comprometam em promover mudanças para a melhoria da vida de todos.
Esta nova atitude passa também pelos municípios sobretudo aqueles que são banhados por rios, lagos e lagoas, os quais deveriam se programar para atrair empreendimentos produtivos, comerciais, de logística, turismo e lazer disponibilizando como atrativo o transporte por água, sabidamente mais competitivo.
Porto não é problema para a cidade. Ao contrário, é solução. Para o aproveitamento desses recursos naturais deve haver uma organização urbana e uma integração entre a região e a instalação portuária. Um município não pode se transformar apenas em espaço de circulação de veículos, mas ser agregador de valores e gerador de postos de trabalho. Foi com o objetivo de fomentar esta ideia que empresas e entidades estaduais criaram a Associação Hidrovias RS para debater com a sociedade e o setor público modelos de exploração das hidrovias e dos territórios marginais.
Afinal, aproveitar de forma sustentável os seus próprios recursos naturais em favor do bem-estar da população será, no mínimo, um notável avanço em nosso processo civilizatório.
Presidente da Associação Hidrovias/RS
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Francisco Berta Canibal 16/07/2018 06h35min
Sobre hidrovias, São Gabriel- POA, como parte do Ibicuí-Jacuí, seria o início da execução deste projeto. Quando da construção da via férrea Santo Amaro- Cacequi, via SAmaro hidrovia até POA, e Cacequi-Uruguaiana. A prometida industrialização brasileira, passa por pneus, projeto do governo JK. Hidrovias no nosso Estado, foram abandonadas, por uma questão de falta de projetos, e que chama a atenção de holandeses e belgas, quando visitam nosso Estado. A sociedade querendo tira da gaveta