Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 11/07/2018. Alterada em 11/07 às 01h00min

Imoral é vilipendiar o que é público

Luiz Fernando Mainardi
Neste mesmo espaço, o líder do governo Sartori sustentou uma iniciativa sua que proíbe ex-governadores de advogar contra o Estado. O projeto de lei do deputado Gabriel de Souza (MDB) se originou do fato de o ex-governador Tarso Genro (PT) ter sido um dos advogados que assinaram ação que propugna o impedimento ao atual governo estadual de vender por preço vil ações do Banrisul. Para o deputado situacionista, a atitude do ex-governador, embora possa ser legal, é imoral, já que recebe uma pensão do próprio Estado.
A iniciativa do deputado Gabriel Souza, que é um líder esforçado de um governo deteriorado, pretende, muito mais do que regular o que pode ou não pode fazer um profissional que tenha ocupado a cadeira de governador, desviar o debate público daquilo que realmente interessa, que é a forma irresponsável e, aí sim, imoral com que o seu governo trata os ativos do Estado gaúcho.
Não por outro motivo, inclusive, o próprio Ministério Público Federal pediu à Polícia Federal investigação sobre a negociação das ações do Banrisul por haver "indícios de práticas de crime contra o mercado financeiro".
A questão que realmente interessa é o inverso do que propõe o deputado governista. Alguém (como o ex-governador Tarso Genro) que advoga para impedir a venda de um ativo público estratégico, como o Banrisul, está defendendo o Estado. Quem advoga contra o Estado, neste caso, é o governador, que aceita vendê-lo a "preço de banana", como diz a sabedoria popular.
Em verdade, o que é imoral, embora possa ser legal, é vilipendiar o que é público, principalmente quando esse ativo importa não apenas às políticas de governo, mas a toda população gaúcha que tem relação direta com o banco.
Defender o Banrisul público e forte, como faz o ex-governador Tarso Genro em sua esfera de atuação profissional, não apenas é moral como é necessário para defender o nosso Estado da ganância privatista do atual governo.
Deputado estadual (PT)
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia