Porto Alegre, segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Relações Internacionais

- Publicada em 20h33min, 21/02/2021. Atualizada em 15h39min, 22/02/2021.

EUA deve retirar sanções para acordo nuclear ser resgatado, diz ministro do Irã

Zarif disse que Biden tem adotado mesma "extrema pressão" de Trump

Zarif disse que Biden tem adotado mesma "extrema pressão" de Trump


FABRICE COFFRINI /AFP/JC
O ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, reafirmou que os Estados Unidos devem retirar todas as sanções ao país para que o acordo sobre o programa nuclear iraniano, assinado em 2015, seja resgatado. As declarações foram dadas em entrevista à emissora local Press TV. Para ele, os norte-americanos devem "reconquistar" seu retorno ao pacto, após o ex-presidente Donald Trump retirar os EUA do Plano de Ação Abrangente Conjunto (JCPOA, na sigla em inglês) em 2018.
O ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, reafirmou que os Estados Unidos devem retirar todas as sanções ao país para que o acordo sobre o programa nuclear iraniano, assinado em 2015, seja resgatado. As declarações foram dadas em entrevista à emissora local Press TV. Para ele, os norte-americanos devem "reconquistar" seu retorno ao pacto, após o ex-presidente Donald Trump retirar os EUA do Plano de Ação Abrangente Conjunto (JCPOA, na sigla em inglês) em 2018.
Para Zarif, o governo de Joe Biden, apesar do discurso multilateral, tem adotado a mesma política de "extrema pressão" do seu antecessor quanto às sanções ao Irã. "Os Estados Unidos são viciados em sanções, mas devem saber que o Irã não cederá às pressões ", disse ele.
O chanceler ainda negou que medidas recentes tomadas pelo Irã no âmbito do JPCOA, como as restrições a visitas da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), apontam para uma possível saída do pacto. "Todos as nossas decisões são reversíveis. Elas são ações remediadores para que os outros países signatários também cumpram suas obrigações dentro do acordo", disse Zarif, afirmando que as restrições à AIEA estão previstas no texto do JPCOA.
Comentários CORRIGIR TEXTO