Porto Alegre, domingo, 07 de fevereiro de 2021.
Dia do Gráfico.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 07 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Irã

- Publicada em 18h48min, 07/02/2021. Atualizada em 19h25min, 07/02/2021.

Líder Supremo do Irã afirma que país só volta a acordo nuclear se EUA retirar sanções

Khamenei discursou para comandantes da Força Aérea iraniana

Khamenei discursou para comandantes da Força Aérea iraniana


HO/KHAMENEI.IR/AFP/JC
O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, afirmou neste domingo (7) que primeiro o governo dos Estados Unidos deve suspender "completamente" as sanções contra seu país, antes que a República Islâmica volte a assumir os compromissos determinados pelo acordo nuclear.
O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, afirmou neste domingo (7) que primeiro o governo dos Estados Unidos deve suspender "completamente" as sanções contra seu país, antes que a República Islâmica volte a assumir os compromissos determinados pelo acordo nuclear.
"Se querem que o Irã volte a seus compromissos (...) os Estados Unidos devem suspender completamente as sanções, e não apenas de forma retórica ou no papel", afirmou Khamenei em um discurso para comandantes da Força Aérea.
O acordo nuclear entre os dois países foi firmado em 2015, sob a gestão do presidente democrata Barack Obama. O pacto limitou o programa nuclear iraniano e, à época, Obama declarou que o documento era um "entendimento histórico" com Teerã.
Em 2018, contudo, o ex-presidente Donald Trump retirou Washington do pacto, em uma decisão criticada tanto pelos democratas norte-americanos, incluindo o próprio Obama, quanto por líderes da União Europeia, que iniciaram uma ofensiva diplomática para tentar salvar o acordo assinado por EUA, Irã, Reino Unido, França, Alemanha, China e Rússia. Por sua vez, outros aliados norte-americanos, como Israel e Arábia Saudita, saudaram o anúncio de Trump.
Comentários CORRIGIR TEXTO