Porto Alegre, sábado, 16 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 16 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

ITÁLIA

- Publicada em 09h54min, 16/01/2021.

Após perder maioria, primeiro-ministro italiano tenta evitar renúncia

Giuseppe Conte busca apoio de outros partidos de fora da coalizão, para continuar governando

Giuseppe Conte busca apoio de outros partidos de fora da coalizão, para continuar governando


ALBERTO PIZZOLI/AFP PHOTO/JC
O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, passou esta sexta-feira (15) ao telefone tentando garantir votos suficientes no Parlamento para permitir que ele permaneça no poder após o partido Itália Viva romper com a coalizão, obrigando suas duas ministras a renunciar e deixando a aliança governamental sem maioria parlamentar.
O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, passou esta sexta-feira (15) ao telefone tentando garantir votos suficientes no Parlamento para permitir que ele permaneça no poder após o partido Itália Viva romper com a coalizão, obrigando suas duas ministras a renunciar e deixando a aliança governamental sem maioria parlamentar.
Conte se reuniu na quinta-feira (14) com o presidente Sergio Mattarella para discutir os rumos do governo. Conte anunciou ao final da reunião que comparecerá ao Parlamento para comunicar a perda da maioria absoluta e submeter-se a um voto de confiança para esclarecer se possui a maioria relativa, com o apoio de outros partidos de fora da coalizão, para continuar governando.
O Itália Viva, uma dissidência do Partido Democrático (PD), de centro-esquerda, teve apenas 3% dos votos na eleição de 2018 e era o menor parceiro na coalizão, formada também pelo próprio PD e o antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S).
A coalizão, que governa desde 2019, substituiu a que existia entre o M5S e a Liga de Matteo Salvini, extrema direita. Sua saída, porém, fez com que Conte perdesse a maioria estreita que tinha antes.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO