Porto Alegre, sábado, 09 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 09 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORONAVÍRUS

- Publicada em 15h50min, 09/01/2021.

Casos de Covid disparam, e Portugal terá novo lockdown na próxima semana

As novas restrições devem seguir o modelo do primeiro confinamento, mas com as escolas abertas

As novas restrições devem seguir o modelo do primeiro confinamento, mas com as escolas abertas


PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP/JC
Após registrar sucessivos recordes de novos casos, mortes e hospitalizações por Covid-19, Portugal se prepara para um novo confinamento geral. A medida foi confirmada pelo governo neste sábado (9).
Após registrar sucessivos recordes de novos casos, mortes e hospitalizações por Covid-19, Portugal se prepara para um novo confinamento geral. A medida foi confirmada pelo governo neste sábado (9).
A princípio, o lockdown deve ser aprovado no Parlamento na próxima quarta-feira (13), entrando em vigor já no dia seguinte. As novas restrições devem seguir o modelo do primeiro confinamento, mas com uma diferença significativa: as escolas, a princípio, permanecerão abertas.
"O que faremos é um confinamento muito próximo daquele que existiu durante os meses de março e abril, garantindo que não fechemos nada que não tenha sido fechado [no primeiro lockdown]", afirmou, neste sábado (9), a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva.
Ela destacou que a indústria, a agricultura e o setor de distribuição permanecerão abertos, assim como no primeiro confinamento. Antes de bater o martelo sobre todas as restrições, o Executivo português aguarda uma reunião com especialistas. O governo pede, no entanto, que os cidadãos já comecem a se isolar.
"Não é necessário ficarmos à espera de um novo decreto quando sabemos que, face a estes números, é nossa obrigação protegermo-nos, reduzindo ao máximo nossos contatos àquilo que é essencial. [...] No momento em que há mais pessoas infectadas, também cresce o risco de cada um de nós nos infectarmos", completou Vieira da Silva.
Ao contrário de outros países do continente, como França e Alemanha, Portugal ainda mantém aberta a maior parte do setor de comércio e serviços, incluindo restaurantes, cinemas e academias de ginástica. São justamente essas atividades que devem acabar sendo encerradas.
Governo Criticado 
Muito elogiado pela reação inicial nos primeiros meses da pandemia, o governo de Portugal vem sendo criticado pela resposta à nova onda de casos de coronavírus. Na contramão de outros países europeus, Portugal não intensificou as restrições de aglomerações e deslocamentos no período de Natal. Pelo contrário: houve afrouxamento das medidas no período entre 23 e 26 de dezembro.
Embora as regras tenham sido apertadas para as celebrações do Ano Novo, especialistas veem consequências graves na decisão de não impor limites à quantidade de pessoas reunidas no Natal.
Na última sexta-feira (8), o país - que tem pouco mais de 10 milhões de habitantes - registrou seu pior dia da pandemia até agora, com recorde de novos diagnósticos (10.176) e de mortes (118).
Nos últimos quatro dias, com pequenas variações, o número de novos casos tem ficado próximo da casa dos 10 mil, algo que jamais tinha acontecido.
Pressionado, o Sistema Nacional de Saúde (SNS) já dá sinais de esgotamento. Os hospitais públicos de Lisboa atingiram sua capacidade para doentes com Covid e já transferem pacientes para outras regiões, como Porto, Covilhã e Algarve.
Em nota, a Ordem dos Médicos de Portugal afirma que os números anteriores da pandemia já permitiam antever que a situação do país dependeria das medidas adotadas na época festiva, mas que o governo optou por "tomar a decisão política de aliviar as medidas de contenção".
A entidade também criticou a estratégia de comunicação da campanha de vacinação contra a Covid-19, iniciada em 27 de dezembro. No dia anterior, as autoridades enviaram mensagens de texto aos celulares de todos os moradores do país avisando sobre o início das imunizações.
Segundo a Ordem dos Médicos, a comunicação "terá contribuído para a redução da percepção do risco por parte da população". Desde o início da pandemia, Portugal já registrou 476.187 casos e 7.701 mortes.
Agência Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO