Porto Alegre, quinta-feira, 07 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 07 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 18h50min, 06/01/2021. Atualizada em 10h34min, 07/01/2021.

Biden diz que invasão é insurreição e pede a Trump para acabar com violência

Biden diz que invasão é insurreição e pede a Trump para acabar com violência

Biden diz que invasão é insurreição e pede a Trump para acabar com violência


Alex Edelman/AFP/JC
O presidente eleito dos EUA, Joe Biden, fez um pronunciamento contundente contra a violência provocada por apoiadores do presidente Donald Trump que invadiram o Congresso nesta tarde para suspender a sessão conjunta da Câmara dos Representantes e do Senado dedicada referendar a vitória do democrata no colégio eleitoral.
O presidente eleito dos EUA, Joe Biden, fez um pronunciamento contundente contra a violência provocada por apoiadores do presidente Donald Trump que invadiram o Congresso nesta tarde para suspender a sessão conjunta da Câmara dos Representantes e do Senado dedicada referendar a vitória do democrata no colégio eleitoral.
"A violência que vimos é um ataque sem precedentes à democracia, ao Estado de Direito", destacou o presidente eleito. "As cenas vistas foram provocadas por um pequeno número de extremistas, que não são o que nosso povo é. São ações de rebelião que devem acabar agora", disse Biden. "Peço que o presidente Trump và à TV agora para encerrar estes atos de ocupação. Não é protesto, é insurreição."
E ressaltou: "Estou chocado e triste que nossa democracia chegou a tal momento escuro, mas vamos vencê-lo."
Segundo o democrata, "o trabalho nos próximos quatro anos" de seu governo é de "restaurar a decência, o respeito, não elevando as chamas do caos. Somos os Estados Unidos da América."
"Presidente Trump, aja. Já basta, Já basta. Já basta", enfatizou Biden.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO