Porto Alegre, segunda-feira, 07 de dezembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 07 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 12h37min, 07/12/2020.

Biden indica Xavier Becerra para chefiar Saúde e Anthony Fauci como conselheiro

Atualmente, Fauci é diretor do Instituto de Alergia e Doenças Infecciosas

Atualmente, Fauci é diretor do Instituto de Alergia e Doenças Infecciosas


Tasos Katopodis/Getty Images/AFP/JC
O presidente eleito dos Estados Unidos, o democrata Joe Biden, anunciou nesta segunda-feira (7) os indicados para conduzir a Saúde no seu governo. Como secretário de Saúde, foi indicado o nome do atual procurador-geral da Califórnia, Xavier Becerra, que é apoiador do programa de assistência médica conhecido por "Obamacare". Caso confirmado pelo Senado, Becerra será o primeiro latino a ocupar o cargo.
O presidente eleito dos Estados Unidos, o democrata Joe Biden, anunciou nesta segunda-feira (7) os indicados para conduzir a Saúde no seu governo. Como secretário de Saúde, foi indicado o nome do atual procurador-geral da Califórnia, Xavier Becerra, que é apoiador do programa de assistência médica conhecido por "Obamacare". Caso confirmado pelo Senado, Becerra será o primeiro latino a ocupar o cargo.
Biden ainda sugeriu a permanência de Anthony Fauci como um dos principais conselheiros do presidente nos assuntos relacionados à Covid-19. Atualmente, Fauci é diretor do Instituto de Alergia e Doenças Infecciosas por indicação do atual presidente Donald Trump.
Entre outros nomes divulgados pelo democrata estão: Vivek Murthy, para chefiar o Serviço Comissionado de Saúde Pública; Rochelle Walensky, para o Centro de Controle de Doenças e Prevenção; Marcella Nunez-Smith para a Força-Tarefa de Equidade contra Covid-19; Jeff Zients para coordenador e Natalie Quilian como sub-coordenadora do grupo de Resposta à Covid-19.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO