Porto Alegre, terça-feira, 10 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 10 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

américa latina

- Publicada em 13h45min, 10/11/2020. Atualizada em 16h07min, 10/11/2020.

Em meio a protestos e impeachment, novo presidente do Peru toma posse

Manuel Merino será o terceiro presidente do país desde 2016

Manuel Merino será o terceiro presidente do país desde 2016


LUKA GONZALES/AFP/JC
Em meio a uma profunda crise política e econômica, o presidente do Congresso, Manuel Merino, assumiu a presidência do Peru nesta terça-feira (10) em substituição ao popular ex-presidente Martín Vizcarra, afastado pelo Parlamento na segunda-feira. Merino deve encerrar seu mandato em 28 de julho de 2021.
Em meio a uma profunda crise política e econômica, o presidente do Congresso, Manuel Merino, assumiu a presidência do Peru nesta terça-feira (10) em substituição ao popular ex-presidente Martín Vizcarra, afastado pelo Parlamento na segunda-feira. Merino deve encerrar seu mandato em 28 de julho de 2021.
Em seu juramento, disse que pretende fazer um governo para levar a uma transição democrática, que vai defender a soberania nacional e cumprir a Constituição peruana, fazendo um chamado à unidade nacional. Merino, um empresário agrícola de 59 anos, será o terceiro presidente do país desde 2016, o que mostra a fragilidade institucional que o país atravessa.
O novo presidente liderava o Congresso até segunda-feira. O afastamento de Vizcarra gerou protestos em várias cidades do país, incluindo a capital, onde centenas se reuniram em uma praça perto do Parlamento. Houve também manifestações em Arequipa e Cuzco.
Merino foi parlamentar entre 2001 e 2006 e entre 2011 e 2016 por um pequena região no norte do país chamada Tumbes, na fronteira com o Equador. Ele é desconhecido para muitos peruanos. Na segunda, disse à televisão local América que respeitará a convocação de eleições presidenciais e legislativas marcadas para abril de 2021.
Vizcarra foi afastado por "incapacidade moral permanente" após o legisladores o acusaram de receber mais de US$ 630 mil em subornos para obras de infraestrutura licitadas quando foi governador regional entre 2011 e 2014. Na segunda, o Congresso aprovou sua destituição ao final de um segundo julgamento político em menos de dois meses, após denúncias de que havia recebido propina quando era governador, em 2014. A moção para destituir o popular presidente peruano ultrapassou os 87 votos necessários no Congresso e alcançou 105 votos a favor, 19 contra e 4 abstenções (entre 130 deputados).
Em setembro, o governo de Vizcarra acusou Merino de tentar envolver as Forças Armadas no impeachment, após ele ter contatado comandantes militares. Merino negou. Nos últimos meses, o Congresso tem aprovado leis para revitalizar a economia, em queda por causa da pandemia de coronavírus.
Em uma espécie de "remake" do julgamento de setembro em que escapou, Vizcarra teve um destino similar ao de seu antecessor, Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018), que não pôde completar seu mandato, tendo sido forçado a renunciar por pressão do Parlamento.
As acusações não reduziram a popularidade do agora ex-presidente, sem partido e sem bancada legislativa, que assumiu o poder após a renúncia de Kuczynski, de quem era vice-presidente, em 23 de março de 2018. Como no julgamento anterior, não há questões ideológicas em discussão, pois o ex-presidente e a maioria dos deputados são de centro-direita. Tampouco está em discussão a gestão dos grandes problemas do Peru, como a recessão econômica e a pandemia do coronavírus. Muitos dos deputados que votaram pela destituição de Vizcarra também enfrentam denúncias por corrupção.
Vizcarra alega que os parlamentares rivais quiseram seu afastamento para adiar as eleições de abril de 2021 e, deste modo, prolongar seu mandato no Congresso. As pesquisas mostram que 75% dos peruanos querem a continuidade do governo, enquanto o Congresso enfrenta 59% de desaprovação.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO