Porto Alegre, sábado, 07 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 07 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

ESTADOS UNIDOS

- Publicada em 09h48min, 07/11/2020. Atualizada em 18h51min, 07/11/2020.

Eleições EUA: Funcionário eleitoral dos EUA está escondido após divulgação de vídeo falso

Em Atlanta, diretor eleitoral da Geórgia, Richard Barron, se dirige à mídia a respeito da contagem das cédulas

Em Atlanta, diretor eleitoral da Geórgia, Richard Barron, se dirige à mídia a respeito da contagem das cédulas


TAMI CHAPPELL/AFP/JC
O diretor eleitoral do condado de Fulton (na Geórgia), Rick Barron, afirmou na noite desta sexta-feira (6) que um de seus funcionários precisou deixar a sua casa após ser alvo de ataques virtuais por supostamente jogar uma cédula fora. "Ele teve que sair de casa e ficar com amigos. Está com medo de dirigir o seu carro, porque informações sobre o seu carro, como a placa, estão circulando", disse.
O diretor eleitoral do condado de Fulton (na Geórgia), Rick Barron, afirmou na noite desta sexta-feira (6) que um de seus funcionários precisou deixar a sua casa após ser alvo de ataques virtuais por supostamente jogar uma cédula fora. "Ele teve que sair de casa e ficar com amigos. Está com medo de dirigir o seu carro, porque informações sobre o seu carro, como a placa, estão circulando", disse.
"O vídeo e sua descrição dão a entender que o funcionário estava agitado, e que teria jogado fora uma cédula. No entanto, uma coisa que vocês precisam saber [...] é que aquele papel eram instruções", completou. Segundo Barron, é possível saber isso pelo tamanho do papel jogado fora no vídeo, menor que o envelope das cédulas de voto.
Tradicionalmente republicana, a Geórgia viu, na manhã desta sexta-feira (6), o democrata Joe Biden assumir a liderança sobre Donald trump -a contagem dos votos ainda não terminou. Com 16 votos no Colégio Eleitoral, o estado é um dos decisivos no pleito deste ano. Se Biden vencer, fica a um voto dos 270 necessários para assumir a Presidência.
Trump já tentou interromper a contagem no estado, mas sem sucesso até agora. Em uma de suas acusações, afirmou que cédulas que tinham chegado por correio após a data limite estavam sendo misturadas a cédulas entregues no prazo.
A Justiça rejeitou a ação por entender que não há evidências para a tese. O governo do estado da Geórgia já afirmou que terá que recontar votos de toda forma, em razão da pequena margem entre os dois candidatos.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO