Porto Alegre, sexta-feira, 06 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 06 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 21h36min, 05/11/2020. Atualizada em 16h58min, 06/11/2020.

Eleições EUA: Abatido, Trump acusa processo eleitoral de corrupção sem apresentar provas

Atual presidente dá sinais cada vez mais fortes de que não irá aceitar a derrota nas urnas

Atual presidente dá sinais cada vez mais fortes de que não irá aceitar a derrota nas urnas


BRENDAN SMIALOWSKI / AFP/JC
Juliano Tatsch
O Donald Trump colérico e mestre na arte da retórica deu lugar a um homem abatido e que leu todo o pronunciamento feito na noite desta quinta-feira (5), na Casa Branca. Sem apresentar provas, o presidente norte-americano disparou a metralhadora de acusações contra o processo eleitoral do país e deixou claro que não irá aceitar a cada vez mais provável derrota nas urnas.
O Donald Trump colérico e mestre na arte da retórica deu lugar a um homem abatido e que leu todo o pronunciamento feito na noite desta quinta-feira (5), na Casa Branca. Sem apresentar provas, o presidente norte-americano disparou a metralhadora de acusações contra o processo eleitoral do país e deixou claro que não irá aceitar a cada vez mais provável derrota nas urnas.
“Se você contar os votos legais, eu facilmente venço. Se contar os ilegais, eles podem tentar roubar as eleições”, disse Trump na abertura do discurso, que foi seguido por críticas à imprensa, às “grandes empresas de tecnologia” e aos institutos de pesquisa que, segundo ele, interferiram no processo eleitoral. “Todos sabem que as pesquisas de opinião foram uma interferência nas eleições, por interesses poderosos. Pesquisas fakes que queriam deixar nossos leitores em casa. Foram pesquisas para nos prejudicar”, apontou.
Após isso, Trump acusou praticamente todo o sistema eleitoral do País de corrupção. Segundo ele, “todo o aparato de apuração é controlado pelos democratas”. “Estamos ganhando e, de repente, miraculosamente, esses números (votos para Biden) vão aparecendo. Fomos à justiça para que nossos observadores ficassem próximos. Eles não permitiam isso. Há muita disputa na justiça, pois o processo está sendo muito injusto. Eu previ isso. Isso destruiu nosso sistema, um sistema corrupto. Isso torna as pessoas corruptas, mesmo que não esteja na natureza delas”, afirmou.
A apuração tem mostrado que a grande maioria da população que votou antecipadamente era formada por eleitores democratas, conforme a imprensa norte-americana já vinha apontando. Para Trump, é “incrível” como os votos pelo correio sempre favorecem os democratas.
“O aparato é controlado por democratas. (...) Temos de manter a integridade da eleição. Não podemos deixar que a corrupção roube uma eleição tão importante”, acusou, mais uma vez sem mostrar provas ou indícios de fraude. “As pessoas estão vendo o que está acontecendo. Eles estão tentando roubar essa eleição. Não vamos deixar que isso aconteça. Detroit e Filadélfia, tem muita corrupção lá”, prosseguiu o candidato republicano.
Para Trump, as autoridades democratas “nunca pensaram que conseguiriam ganhar a eleição de maneira correta, por isso estão recorrendo à fraude e corrupção”.
O foco do atual presidente dos EUA foi apenas os estados em que perdeu ou está prestes a tomar uma virada no resultado. Um deles é a Pensilvânia, onde Joe Biden vem se aproximando rapidamente e, se o cenário não mudar, tende a virar a disputa. “A contagem na Pensilvânia é uma máquina de corrupção democrata”, disse.
Redes de televisão norte-americanas pararam de transmitir o pronunciamento em razão das alegações falsas ou sem provas apresentadas por Trump.
Finalizando o discurso – que não foi aberto a perguntas da imprensa – Trump disse desafiar Biden a dizer que só quer receber votos legais. “Nós queremos transparência, abertura, não queremos contagens secretas, não queremos votos enviados depois do dia da eleição. Nós queremos uma eleição honesta, uma contagem honesta. É dessa maneira que o país irá vencer, que vamos vencer essa eleição”, enfatizou.
“Vai haver muita briga na Justiça. Temos tantas provas que, talvez, isso acabe na corte mais alta do País. Venho falando sobre isso por meses. Falei de maneira firme que os votos pelo correio seriam um desastre. Não podemos ser desgraçados por uma coisa assim. Espero que em breve tenhamos tudo esclarecido. Os juízes terão de decidir”, finalizou, saindo da sala a passos lentos e de cabeça baixa.
Comentários CORRIGIR TEXTO