Porto Alegre, quarta-feira, 04 de novembro de 2020.
Dia do Inventor.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 04 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 18h56min, 04/11/2020. Atualizada em 21h12min, 04/11/2020.

Eleições EUA: Biden enfatiza confiança na vitória e faz chamado por união nacional

Democrata afirmou que todos os votos devem ser contados e defendeu a democracia do país

Democrata afirmou que todos os votos devem ser contados e defendeu a democracia do país


JIM WATSON /AFP/JC
Juliano Tatsch
Em meio a fortes sinais de que o atual presidente e candidato republicano à reeleição Donald Trump não irá aceitar uma derrota na eleição presidencial norte-americana, o candidato democrata, Joe Biden, fez um pronunciamento de cerca de cinco minutos por volta das 18h10min (horário de Brasília) desta quarta-feira (4), no qual reforçou a confiança na vitória no pleito e fez um chamado pela união nacional após o processo eleitoral.
Em meio a fortes sinais de que o atual presidente e candidato republicano à reeleição Donald Trump não irá aceitar uma derrota na eleição presidencial norte-americana, o candidato democrata, Joe Biden, fez um pronunciamento de cerca de cinco minutos por volta das 18h10min (horário de Brasília) desta quarta-feira (4), no qual reforçou a confiança na vitória no pleito e fez um chamado pela união nacional após o processo eleitoral.
Acompanhado de sua candidata à vice, a senadora Kamala Harris, Biden firmou que o dia 3 de novembro “mostrou mais uma vez que a democracia é o coração dos Estados Unidos por dois séculos. “Mesmo diante de uma pandemia, mais norte-americanos votaram do que antes. Mais de 150 milhões de eleitores. Acho isso extraordinário”, destacou.
Com a tendência cada vez mais real de que venha a ser derrotado, Trump disparou sua metralhadora retórica nas redes sociais, falando em fraude e em levar o pleito para os tribunais, aumentando a tensão e elevando o risco de confrontos nas ruas de grandes cidades.
Biden fez questão de destacar o papel da escolha popular e que todos os votos devem ser computados, inclusive os enviados pelos correios que devem chegar até sexta-feira. “Aqui o povo é que manda. O poder vem do povo. É a palavra do povo que determina quem será o presidente. Só eles podem decidir isso. Depois de uma longa noite, está claro que estamos ganhando estados suficientes para ganhar a presidência. Todos os votos precisam ser contados. Ninguém vai tirar nossa democracia. Nem hoje nem nunca. Não seremos silenciados, não seremos provocados, não vamos nos render.”
O candidato, porém, fez questão de enfatizar que não estava cantando vitória antes da hora. “Não estou declarando vitória, mas dizendo que, quando a contagem acabar, seremos vencedores”, disse.
O candidato democrata também mostrou seu desejo de unir o país depois das eleições. “Quando essa eleição passar, teremos de fazer o que sempre fizemos, deixar a retórica dura para trás, baixar a temperatura e ouvirmos uns aos outros. Unir, curar, para que nos unamos como uma nação. Não será fácil, não sou ingênuo. Sei como é difícil, mas também sei que, para avançar, temos de parar de tratar nossos oponentes como inimigos. Não somos inimigos. O que nos une como é mais forte do que qualquer coisa que nos separa”, ressaltou. “Estou confiante que seremos vitoriosos. Será uma vitória do povo. Não haverá estados azuis ou vermelhos, apenas os Estados Unidos da América”, concluiu.
Comentários CORRIGIR TEXTO