Porto Alegre, quarta-feira, 21 de outubro de 2020.
Dia do Contato Publicitário.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 21 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 17h10min, 21/10/2020.

Brasileiros continuam impedidos de entrar nos EUA e não há prazo para restrição cair

Desde maio, a entrada de quem chega do Brasil está bloqueada

Desde maio, a entrada de quem chega do Brasil está bloqueada


SCOTT OLSON/GETTY IMAGES/AFP/JC
O fim da restrição de entrada de viajantes do Brasil nos Estados Unidos depende da redução da pandemia de coronavírus no País, informou o embaixador brasileiro em Washington, Nestor Forster. Em maio, a Casa Branca bloqueou a entrada de quem chega do Brasil ou esteve no País nos 14 dias que antecederam o desembarque nos EUA, como parte da tentativa de controlar a propagação de coronavírus. A medida continua em vigor e não há prazo para ser derrubada.
O fim da restrição de entrada de viajantes do Brasil nos Estados Unidos depende da redução da pandemia de coronavírus no País, informou o embaixador brasileiro em Washington, Nestor Forster. Em maio, a Casa Branca bloqueou a entrada de quem chega do Brasil ou esteve no País nos 14 dias que antecederam o desembarque nos EUA, como parte da tentativa de controlar a propagação de coronavírus. A medida continua em vigor e não há prazo para ser derrubada.
"Essas medidas devem ser abrandadas assim que os números no Brasil melhorarem", disse Forster, em entrevista a correspondentes brasileiros nos EUA. "Não é uma decisão política de amizade com esse ou aquele país. É levada em conta a evolução do quadro geral da pandemia."
Os EUA barraram a entrada de viajantes da China em janeiro. Em fevereiro, a restrição foi imposta também aos que chegavam do Irã. Em março, a mesma medida foi imposta aos europeus, depois a Reino Unido e Irlanda. Em maio, a Casa Branca barrou a entrada de quem estivesse no Brasil. Norte-americanos, cidadãos com residência permanente nos EUA e estrangeiros que possuem visto diplomático estão excluídos da restrição.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/10/21/206x137/1_49530384453_84cf2f7d2d_k-9170478.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5f908f38a09f0', 'cd_midia':9170478, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/10/21/49530384453_84cf2f7d2d_k-9170478.jpg', 'ds_midia': 'embaixador do Brasil junto aos EUA, Nestor José Forster Junior.    Foto: Geraldo Magela/Agência Senado', 'ds_midia_credi': 'GERALDO MAGELA/AGÊNCIA SENADO/JC', 'ds_midia_titlo': 'embaixador do Brasil junto aos EUA, Nestor José Forster Junior.    Foto: Geraldo Magela/Agência Senado', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}

Forster afirmou que medidas devem ser abrandadas assim que os números do coronavírus no Brasil melhorarem. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado/JC

O governo norte-americano vem sendo questionado sobre a manutenção das restrições. O Departamento de Estado tem argumentado que estuda a melhor forma de suavizá-las, mas a Europa ainda não liberou a entrada de viajantes com origem nos EUA. A perspectiva de uma segunda onda de propagação do vírus, tanto nos EUA quanto na Europa, com o recente crescimento de novos casos, criou ainda mais incertezas quanto à flexibilização.
No caso da China, o bloqueio de viagens tem sido um dos principais pilares da campanha eleitoral do presidente dos EUA, Donald Trump. "Estamos cobrando isso dos norte-americanos e esperamos ter alguma notícia para breve, embora não possa me comprometer com nenhum horizonte", declarou Forster.
Na Europa não é diferente. Desde 1º de julho, quando foram divulgadas as regras de abertura, após o pico da pandemia, países como Brasil e EUA estão fora da lista das nações cujos cidadãos podem realizar visitas não essenciais. 
Comentários CORRIGIR TEXTO