Porto Alegre, quarta-feira, 14 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 14 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

estados unidos

- Publicada em 14h11min, 14/10/2020.

Twitter suspende perfis falsos que se passavam por apoiadores negros de Trump

Perfis infringiam as regras de spam e de manipulação da plataforma

Perfis infringiam as regras de spam e de manipulação da plataforma


Brendan Smialowski/AFP/JC
O Twitter suspendeu uma série de contas falsas que se passavam por apoiadores negros do presidente dos EUA, Donald Trump. De acordo com a empresa, os perfis infringiam as regras de spam e de manipulação da plataforma.
O Twitter suspendeu uma série de contas falsas que se passavam por apoiadores negros do presidente dos EUA, Donald Trump. De acordo com a empresa, os perfis infringiam as regras de spam e de manipulação da plataforma.
"Nossas equipes estão trabalhando diligentemente para investigar essa atividade e tomarão medidas de acordo com as regras do Twitter se as publicações forem consideradas violações", disse uma porta-voz da rede social.
Uma reportagem do Washington Post afirma que um dos perfis suspensos mostrava a imagem de um policial negro junto com o presidente e as palavras "vote em republicanos". O perfil reunia 24 mil seguidores apenas seis dias depois de criado e tinha apenas oito publicações, uma das quais com mais de 75 mil curtidas.
O perfil dizia que o homem na foto era um policial da Filadélfia, no estado da Pensilvânia. A imagem utilizada, entretanto, era de Jakhary Jackson, um policial de Portland, no Oregon, que disse ao Washington Post não usar redes sociais.
O Twitter não revelou quantos perfis foram suspensos e não forneceu mais detalhes sobre o caso. Segundo o pesquisador de mídias sociais Darren Linvill, da Universidade Clemson, que vinha acompanhando a atividade dos perfis, a maior parte das contas foi criada em 2017, mas tornou-se mais ativa nos últimos dois meses -período que coincide com a reta final das eleições nos EUA.
Algumas das fotos de homens negros utilizadas pelos perfis falsos eram retiradas de bancos de imagem e portais de notícias. Em um dos casos, no lugar da foto de perfil, havia a frase "foto de homem negro", o que indica um descuido dos criadores das contas falsas.
As publicações das contas falsas usavam linguagem parecida e, em alguns casos, idêntica. A frase "Sim, eu sou negro e voto em Trump" aparecia em dezenas de contas, de acordo com o pesquisador.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO