Porto Alegre, quarta-feira, 14 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 14 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Rússia

- Publicada em 09h06min, 17/09/2020. Atualizada em 20h39min, 14/10/2020.

Navalni foi envenenado ao beber água em hotel, dizem assessores

O líder da oposição ao governo russo, Alexei Navalni, foi envenenado ao beber uma garrafa d'água no quarto do hotel em que estava hospedado na cidade de Omsk, na região da Sibéria, e não no aeroporto, como previamente divulgado. A informação foi confirmada por assessores de Navalni em publicação no Instagram nessa quinta-feira (17).
O líder da oposição ao governo russo, Alexei Navalni, foi envenenado ao beber uma garrafa d'água no quarto do hotel em que estava hospedado na cidade de Omsk, na região da Sibéria, e não no aeroporto, como previamente divulgado. A informação foi confirmada por assessores de Navalni em publicação no Instagram nessa quinta-feira (17).
O vídeo compartilhado na conta oficial de Navalni mostra seus assessores inspecionando o quarto do hotel cerca de uma hora após terem sido informados de que ele havia passado mal durante o voo sob circunstâncias suspeitas. Segundo seus colaboradores, restos da substância neurotóxica com que ele foi envenenado foram encontrados em uma garrafa recuperada do quarto onde ele se hospedou.
O ativista russo passou mal em um voo doméstico em agosto e foi transferido em seguida para Berlim, onde segue internado. Navalni divulgou uma primeira mensagem e uma foto sua na terça-feira, 15, no leito do hospital onde está internado na Alemanha, dizendo estar feliz por poder respirar sem ajuda de aparelhos.
Um laboratório militar alemão concluiu em 3 de setembro que o opositor foi envenenado por uma substância da família Novichok, criada na época da União Soviética para fins militares. A Rússia diz que não encontrou evidências de envenenamento.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO