Porto Alegre, segunda-feira, 14 de setembro de 2020.
Aniversário da cidade de Viamão.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 14 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Rússia

- Publicada em 22h17min, 14/09/2020.

Aliados de Navalni reivindicam vitória em eleições regionais na Rússia

O partido Rússia Unida, que dá sustentação ao Kremlin, afirma que manteve o comando em todas as 18 regiões

O partido Rússia Unida, que dá sustentação ao Kremlin, afirma que manteve o comando em todas as 18 regiões


ALEXANDER NEMENOV/AFP/JC
O Kremlin e a oposição estão cantando vitória acerca das eleições regionais na Rússia, que ocorreram de sexta-feira (11) a domingo (13). Os números finais ainda devem demorar alguns dias para serem compilados, mas o mais provável é que ambos os lados estejam certos.
O Kremlin e a oposição estão cantando vitória acerca das eleições regionais na Rússia, que ocorreram de sexta-feira (11) a domingo (13). Os números finais ainda devem demorar alguns dias para serem compilados, mas o mais provável é que ambos os lados estejam certos.
Isso não é exatamente boa notícia para o presidente Vladimir Putin, que vive um momento de especial pressão, nem para seus opositores. Houve eleições para diversos cargos diferentes em 41 das 85 regiões russas, em níveis municipal, regional e federal. Em 18 regiões, houve disputas diretas para governador, as mais importantes.
O partido Rússia Unida, que dá sustentação ao Kremlin, afirma que manteve o comando em todas elas. Houve as denúncias habituais de fraude aqui e ali, como registra a ONG de observação eleitoral Golos, mas dificilmente o resultado seria diferente.
Nesta segunda-feira, com resultados ainda parciais de eleições regionais na Rússia, candidatos aliados do oponente do Kremlin Alexei Navalni - internado em Berlim após ser envenenado - reivindicaram vitória em duas cidades simbólicas da Sibéria, região onde supostamente ele foi envenenado.
Em 41 das 85 regiões do país, eleitores foram convocados a escolher os governadores, representantes nas assembleias regionais, ou municipais, e quatro deputados para o Parlamento nacional.
Por sua vez, os candidatos do partido governista, Rússia Unida, preeminente na vida política apesar da queda de popularidade nos últimos anos, conquistaram a maioria das cadeiras em disputa, de acordo com o líder da sigla, o ex-presidente e ex-primeiro-ministro Dmitri Medvedev.
Mas os olhares estavam voltados para as disputas municipais em Tomsk e em Novosibirsk, na Sibéria, onde Navalni fazia uma investigação sobre a corrupção da elite local e organizava a campanha de seus aliados.
Em Tomsk, os dois candidatos partidários de Navalni dizem ter sido eleitos para o Parlamento municipal. Andrei Fateev e Ksenia Fadeeva venceram em duas circunscrições, de acordo com os dados preliminares da Comissão Eleitoral.
Em Novosibirsk, terceira maior cidade da Rússia e a mais importante da Sibéria, onde Navalni também fez campanha, sua coalizão teria conquistado cinco cadeiras, incluindo a de Serguei Boiko, líder de uma coalizão opositora.
Navalni promoveu uma estratégia tática para desafiar o partido governista e o sistema político no qual críticos proeminentes do Kremlin são proibidos de concorrer. Enquanto ele se recuperava no hospital nas últimas semanas, seus aliados seguiram com a estratégia, nomeando mais de mil políticos que consideravam ter chances de vencer e fazendo uma forte campanha para que os russos votassem nele. "Acho que todos entenderão que vencer em Tomsk era uma questão de princípio depois do que aconteceu", tuitou Ksenia Fadeeva.
Comentários CORRIGIR TEXTO