Porto Alegre, segunda-feira, 14 de setembro de 2020.
Aniversário da cidade de Viamão.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 14 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Relações Internacionais

- Publicada em 16h59min, 14/09/2020. Atualizada em 17h18min, 14/09/2020.

Macron pressiona Putin após teste francês confirmar envenenamento de opositor

O presidente francês, Emmanuel Macron, pressionou Putin para que esclareça a "tentativa de assassinato" sofrida pelo oponente do Kremlin

O presidente francês, Emmanuel Macron, pressionou Putin para que esclareça a "tentativa de assassinato" sofrida pelo oponente do Kremlin


CHARLES PLATIAU/POOL/AFP/JC
O presidente francês, Emmanuel Macron, pressionou seu homólogo russo, Vladimir Putin, nesta segunda-feira (14), para que esclareça a "tentativa de assassinato" sofrida pelo oponente do Kremlin Alexei Navalni, após análises francesas confirmarem a conclusão alemã de que ele foi envenenado.
O presidente francês, Emmanuel Macron, pressionou seu homólogo russo, Vladimir Putin, nesta segunda-feira (14), para que esclareça a "tentativa de assassinato" sofrida pelo oponente do Kremlin Alexei Navalni, após análises francesas confirmarem a conclusão alemã de que ele foi envenenado.
Segundo um comunicado da presidência francesa, em uma conversa com Putin pela manhã, Macron "expressou sua profunda preocupação com o ato criminoso" cometido contra Navalni e "enfatizou a necessidade de esclarecê-lo sem demora".
Macron acrescentou que a França, com base em suas próprias análises, "compartilhou as conclusões de seus sócios europeus" de que o adversário de Putin foi vítima de "envenenamento com a ajuda de um neurotóxico (do grupo) Novichok".
O opositor de 44 anos saiu do coma induzido na semana passada. Os países ocidentais pediram que Moscou investigue o caso, sob risco de sanções. O Kremlin rejeita a versão de envenenamento e denuncia acusações infundadas.
Mais cedo, o governo alemão afirmou que laboratórios da França e da Suécia confirmaram o envenenamento com a substância, uma hipótese rejeitada pela Rússia. O porta-voz da chanceler Angela Merkel, Steffen Seibert, informou que pediu aos dois países "uma revisão independente da evidência alemã a partir de novas amostras de Navalni", que está hospitalizado em Berlim. "Os resultados da revisão em laboratórios especializados da França e da Suécia estão disponíveis e confirmam a evidência alemã", declarou.
"Até o momento, três laboratórios apresentaram de maneira independente a prova de que um agente neurotóxico do grupo Novichok é a causa do envenenamento de Navalni", reiterou. O uso de Novichok "constitui uma violação grave da Convenção sobre as Armas Químicas", lembrou.
Seibert disse que Berlim solicitou à Organização para a Proibição das Armas Químicas (Opaq) a análise das provas do caso. Segundo ele, a Opaq extraiu amostras de Navalni e tomou medidas para análises nos laboratórios de referência da organização.
"Reiteramos o pedido para que a Rússia apresente explicações sobre o que aconteceu", afirmou. "Estamos em estreita colaboração com nossos sócios europeus no que diz respeito às próximas etapas", concluiu.
Moscou pediu a Berlim que entregue as informações sobre o estado de saúde do opositor russo, especialmente as análises do laboratório alemão que identificaram o Novichok. De acordo com as autoridades russas, as análises feitas durante a internação de emergência de Navalni em Omsk, Sibéria, não revelaram a existência de nenhuma substância tóxica no organismo do ativista.
Comentários CORRIGIR TEXTO