Porto Alegre, quarta-feira, 09 de setembro de 2020.
Dia do Administrador e do Médico Veterinário.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 09 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 17h05min, 09/09/2020. Atualizada em 20h47min, 09/09/2020.

Em entrevistas para livro, Trump admite que minimizou intencionalmente a gravidade da pandemia de coronavírus

Apesar de minimizar o vírus, Trump foi alertado por assessores em fevereiro que "situação era gravíssima"

Apesar de minimizar o vírus, Trump foi alertado por assessores em fevereiro que "situação era gravíssima"


MANDEL NGAN/afp/jc
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, admitiu em entrevistas para o jornalista Bob Woodward que escondeu intencionalmente do público norte-americano a gravidade do coronavírus. As declarações do republicano foram divulgadas nesta quarta-feira (9) pelo jornal The Washington Post e pela rede de TV CNN. Ambos tiveram acesso antecipado ao novo livro de Woodward, "Rage" (raiva), que tem lançamento programado para a próxima semana.
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, admitiu em entrevistas para o jornalista Bob Woodward que escondeu intencionalmente do público norte-americano a gravidade do coronavírus. As declarações do republicano foram divulgadas nesta quarta-feira (9) pelo jornal The Washington Post e pela rede de TV CNN. Ambos tiveram acesso antecipado ao novo livro de Woodward, "Rage" (raiva), que tem lançamento programado para a próxima semana.
Na obra, o veterano repórter diz que conversou com o presidente no dia 7 de fevereiro. Dez dias antes, Trump tinha sido informado por seus assessores que a situação era gravíssima, revela o livro.
"Você apenas respira o ar e é assim que (o vírus) passa", disse o presidente a Woodward na conversa. "Então isso é muito complicado. Isso é muito delicado. É também algo muito mais mortal do que uma gripe forte. Isso é mortal", completou Trump durante a ligação - o áudio do trecho foi divulgado pelos dois veículos. Na mesma época, porém, Trump em público afirmava que a pandemia não era tão grave e que a Covid-19 não era mais perigosa que a gripe comum.
Mais de um mês depois, em 19 de março, os dois voltaram a conversar. Na ligação, Trump revelou que a situação era mais grave do que se pensava. "Agora está sendo revelado que não só pessoas idosas, Bob. Só hoje e ontem alguns fatos vieram à tona. Não são só idosos", disse Trump ao jornalista sobre quem eram as vítimas da Covid-19. "Pessoas jovens também, muitas pessoas jovens", completou o presidente norte-americano.
Desde o início da pandemia, Trump tenta desviar o foco de atenção da gravidade da doença. Já acusou a China de ter "liberado" o vírus propositalmente, afirmou tomar hidroxicloroquina como prevenção, um medicamento sem eficácia comprovada contra a Covid-19 e focou a força-tarefa da Casa Branca na reabertura econômica dos EUA. Depois, com a queda de popularidade, colocou o pé no freio em suas declarações, mas pouco mais de um mês depois, voltou a minimizar os efeitos do vírus. Em abril, estimou que o coronavírus não mataria mais do que 65 mil pessoas nos EUA. Nesta quarta-feira, segundo dados da universidade Johns Hopkins, o país já contabilizava 189.972 mortes.
Na sequência do diálogo, o republicano defendeu suas ações. "Sempre quis minimizar (a pandemia)", disse Trump, segundo o livro. "Ainda prefiro minimizar, porque não quero criar pânico". Foi só no fim de março que Trump mudou de tom sobre a pandemia e passou a alertar publicamente sobre a gravidade da situação.
Woordward ainda revela na obra que, no dia 28 de janeiro, o republicano teve uma reunião no Salão Oval da Casa Branca para debater a situação do coronavírus. O subconselheiro de segurança nacional, Matthew Pottinger, disse no encontro que informações vindas da China - então epicentro da pandemia - indicavam que o coronavírus era uma emergência tão grave quanto a gripe espanhola, que deixou cerca de 50 milhões de mortos em 1918.
"Essa será a maior ameaça à segurança nacional que você vai enfrentar em sua presidência. Isso será a coisa mais difícil que você vai enfrentar", disse a Trump na reunião o conselheiro de segurança nacional, Robert O'Brien, de acordo com o livro.
Woodward, disse que entrevistou Trump 18 vezes durante a realização da obra, incluindo as ligações telefônicas. Todas as conversas foram gravadas com autorização do presidente.
O livro inclui ainda detalhes da cúpula do governo, incluindo uma série de críticas ao presidente feita por antigos auxiliares. A lista inclui o ex-secretário de Defesa James Mattis, o ex-secretário de Estado Rex Tillerson e o ex-diretor de inteligência nacional Dan Coats.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/09/09/206x137/1_480494_01_02-9132829.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5f592ef0e0eb4', 'cd_midia':9132829, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/09/09/480494_01_02-9132829.jpg', 'ds_midia': '(FILES) In this file photo taken on June 13, 2012 Associate Editor of the Washington Post Bob Woodward speaks at the Newseum during an event marking the 40th anniversary of Watergate at the Newseum in Washington, DC. - President Donald Trump admitted that he tried to minimize the lethal threat of the coronavirus early on in the pandemic, according to excerpts reported on September 9, 2020 from a new book by veteran US journalist Bob Woodward. (Photo by Jim WATSON / AFP)', 'ds_midia_credi': 'JIM WATSON /AFP/JC', 'ds_midia_titlo': '(FILES) In this file photo taken on June 13, 2012 Associate Editor of the Washington Post Bob Woodward speaks at the Newseum during an event marking the 40th anniversary of Watergate at the Newseum in Washington, DC. - President Donald Trump admitted that he tried to minimize the lethal threat of the coronavirus early on in the pandemic, according to excerpts reported on September 9, 2020 from a new book by veteran US journalist Bob Woodward. (Photo by Jim WATSON / AFP)', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '512', 'align': 'Left'}
Bob Woodward é um dos jornalistas mais respeitados dos EUA. FOTO: JIM WATSON/AFP/JC
Woodward é um dos mais respeitados jornalistas da história norte-americana, conhecido principalmente por ter revelado, ao lado de Carl Bernstein, o escândalo de Watergate. A série de matérias sobre o caso feita pela dupla para o Washington Post entre 1972 e 1974 acabou por levar o então presidente Richard Nixon à renúncia.
Comentários CORRIGIR TEXTO