Porto Alegre, sexta-feira, 04 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 04 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

saúde

- Publicada em 14h05min, 04/09/2020.

OMS garante que não aprovará vacinas sem segurança comprovada

Diretor-geral criticou o movimento antivacina e destacou a importância da vacinação em massa

Diretor-geral criticou o movimento antivacina e destacou a importância da vacinação em massa


FABRICE COFFRINI/AFP/JC
Durante coletiva de imprensa nesta sexta-feira, o comando da Organização Mundial da Saúde (OMS) foi questionado sobre a declaração do presidente Jair Bolsonaro de que "ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina". Representantes da entidade evitaram citar o brasileiro nominalmente, mas reforçaram a importância da vacinação e garantiram que um imunizador para o coronavírus não será aprovado sem passar por todas as etapas clínicas necessárias. "Vacinas salvam vidas", pontuou a cientista-chefe do órgão, Soumya Swaminathan.
Durante coletiva de imprensa nesta sexta-feira, o comando da Organização Mundial da Saúde (OMS) foi questionado sobre a declaração do presidente Jair Bolsonaro de que "ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina". Representantes da entidade evitaram citar o brasileiro nominalmente, mas reforçaram a importância da vacinação e garantiram que um imunizador para o coronavírus não será aprovado sem passar por todas as etapas clínicas necessárias. "Vacinas salvam vidas", pontuou a cientista-chefe do órgão, Soumya Swaminathan.
A pediatra indiana acrescentou que espera resultados de algumas pesquisas no fim deste ano. "Falando de forma realista, a segunda metade de 2021 é quando podemos começar a ver a doses sendo distribuídas para os países, para que comecem a imunizar suas populações", afirmou.
O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, assegurou que não endossará vacina que não tenha segurança e eficácia comprovadas. Ele criticou o movimento antivacina e destacou a importância da vacinação em massa para a erradicação da varíola e o combate ao ebola. "Todos nós esperamos ter uma notícia positiva sobre vacina ainda este ano", ressaltou, acrescentando que a prioridade inicial será a vacinação de profissionais de saúde e grupos de risco.
Tedros comentou ainda que há evidência de que corticoides podem ajudar no tratamento de pacientes de coronavírus entubados, embora tenham potencial efeito negativo em pessoas com a versão moderada da doença. "A OMS, portanto, recomenda o uso de corticoides apenas em pacientes que estejam severamente ou criticamente doentes", explicou.
 
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO