Porto Alegre, quarta-feira, 02 de setembro de 2020.
Dia do Repórter Fotográfico.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 02 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Alemanha

- Publicada em 16h41min, 02/09/2020. Atualizada em 19h16min, 02/09/2020.

Alemanha confirma que opositor russo foi envenenado com mesma substância usada contra ex-espião

As evidências foram obtidas com exames de sangue realizados em um laboratório militar alemão

As evidências foram obtidas com exames de sangue realizados em um laboratório militar alemão


YURI KADOBNOV/AFP/JC
A Alemanha afirmou, nesta quarta-feira (2), que o líder opositor russo Alexei Navalny foi envenenado com Novitchok, um grupo de agentes neurológicos desenvolvido pela União Soviética nos anos 1970 e 1980.
A Alemanha afirmou, nesta quarta-feira (2), que o líder opositor russo Alexei Navalny foi envenenado com Novitchok, um grupo de agentes neurológicos desenvolvido pela União Soviética nos anos 1970 e 1980.
A substância é da mesma família do veneno identificado pelo Reino Unido, dois anos atrás, no envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal - que havia desertado para a Inglaterra - e de sua filha, Yulia. Os dois sobreviveram, e os russos negaram por diversas vezes o envolvimento no ataque.
Em um comunicado enviado por e-mail nesta quarta, o porta-voz do governo alemão, Steffen Seibert, disse que o país têm "provas inequívocas" de que Navalny foi intoxicado com a substância e exigiu que a Rússia apresente explicações "urgentes" sobre o caso.
As evidências foram obtidas com exames de sangue realizados em um laboratório militar alemão. "É um evento chocante que Alexei Navalny tenha sido uma vítima de um ataque com um agente neurológico na Rússia", disse Seibert.
"O governo federal irá informar seus parceiros da União Europeia e da Otan sobre os resultados da investigação", continuou. "Será discutida uma resposta conjunta apropriada com os parceiros, à luz da resposta russa".
Um porta-voz do Kremlin disse à agência de notícias russa RIA que a Alemanha ainda não havia informado o país de que Navalny teria sido envenenado com Novitchok.
Navalny, advogado e blogueiro que ganhou fama ao mobilizar dezenas de milhares de russos para protestar contra a corrupção em 2017 e depois buscou se firmar como opositor do governo de Vladimir Putin, segue internado em estado grave, em Berlim.
No dia 20 de agosto, ele passou mal em um voo de Tomsk, na Sibéria, a Moscou, após ter tomado um chá no aeroporto. O avião fez um pouso de emergência em Omsk, onde os médicos descartaram envenenamento.
A declaração levou aliados e a mulher, Yulia Navalnaya, a buscar a remoção do ativista para tratamento na Alemanha no dia 22. No hospital da Charité, na capital alemã, ficou estabelecido que Navalny tinha sido envenenado.
Em resposta, o governo russo descartou, naquele momento, uma investigação criminal sobre as circunstâncias que levaram o líder opositor a ser internado. "É preciso uma razão para uma investigação. Você precisa primeiro encontrar uma toxina e estabelecer o que causou essa condição. Até aqui temos um paciente em coma", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, no dia 25 de agosto.
O Novitchok são os mais letais agentes neurotóxicos jamais feitos. Essas substâncias foram desenvolvidas para serem indetectáveis pelos equipamentos de detecção padrão e para ultrapassar as roupas de proteção tradicionais.
Ele aparece em forma de um pó muito fino, em vez de gás ou vapor. A contaminação se dá por inalação, embora a absorção pela pele ou por membranas mucosas também seja possível. Sua ação é rápida, levando entre 30 segundos e 2 minutos para fazer efeito.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO