Porto Alegre, sábado, 15 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 15 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

SAÚDE

- Publicada em 13h50min, 15/08/2020.

Rússia anuncia produção de primeiro lote de vacina contra o novo coronavírus

A informação foi confirmada pelo ministério da Saúde do país

A informação foi confirmada pelo ministério da Saúde do país


Alexey NIKOLSKY/SPUTNIK/AFP
Folhapress
A Rússia anunciou neste sábado (15) que deu início à produção do primeiro lote da vacina contra o novo coronavírus. A droga, assim que foi divulgada pelo presidente Vladimir Putin no início desta semana, foi recebida com ceticismo pelo resto do mundo por não seguir os procedimentos previstos de testes -que levam tempo. A informação foi confirmada pelo ministério da Saúde do país que informou, em comunicado, que o primeiro lote foi produzido no Instituto de Pesquisa Gamaleya.
A Rússia anunciou neste sábado (15) que deu início à produção do primeiro lote da vacina contra o novo coronavírus. A droga, assim que foi divulgada pelo presidente Vladimir Putin no início desta semana, foi recebida com ceticismo pelo resto do mundo por não seguir os procedimentos previstos de testes -que levam tempo. A informação foi confirmada pelo ministério da Saúde do país que informou, em comunicado, que o primeiro lote foi produzido no Instituto de Pesquisa Gamaleya.
Putin afirmou nesta última terça (11) que a vacina do país é "bastante eficaz". O mandatário afirmou também que uma de suas filhas chegou a ser vacinada com a Sputinik V, nome escolhido para a droga em homenagem ao satélite soviético lançado em órbita em 1957.
O Instituto Gamaleya foi acusado pela comunidade científica internacional de não respeitar os protocolos para acelerar o processo de fabricação e comercialização da vacina. Os pesquisadores argumentam que uma vacina desenvolvida de forma precipitada pode ser perigosa, já que a fase final dos testes (onde sua eficácia é verificada com milhares de voluntários) começou apenas nesta semana.
Alexander Guinstbourg, diretor do Gamaleya, disse que os voluntários participantes da última fase de testes receberão duas injeções, segundo informou a agência TASS. O fundo de riqueza soberana da Rússia envolvido no desenvolvimento da vacina informou que a produção em grande escala começará em setembro e que 20 países já encomendaram mais de 1 bilhão de doses com antecedência.
Por enquanto, a Rússia não publicou um estudo detalhado sobre a eficácia da vacina de forma independente. Com mais de 917 mil casos oficiais de Covid-19, a Rússia é o quarto país do mundo mais afetado pela pandemia em número de infecções. O país está atrás apenas dos Estados Unidos, Brasil e Índia.
Comentários CORRIGIR TEXTO