Porto Alegre, quarta-feira, 12 de agosto de 2020.
Dia Nacional da Juventude .

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 12 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

França

- Publicada em 08h53min, 12/08/2020. Atualizada em 14h32min, 12/08/2020.

França: nova onda de Covid-19 pode ter controle mais difícil

Macron chegou a dizer que a França vai adotar novas restrições para as 20 maiores cidades do país

Macron chegou a dizer que a França vai adotar novas restrições para as 20 maiores cidades do país


THOMAS COEX/AFP/JC
Agência Brasil
A disseminação do novo coronavírus novamente pela França pode se tornar mais difícil de ser controlada caso não haja um esforço coletivo para conter o aumento recente na taxa de contaminação no país, disse o primeiro-ministro francês, Jean Castex, nessa terça-feira (11).
A disseminação do novo coronavírus novamente pela França pode se tornar mais difícil de ser controlada caso não haja um esforço coletivo para conter o aumento recente na taxa de contaminação no país, disse o primeiro-ministro francês, Jean Castex, nessa terça-feira (11).
Ele alertou que o povo está se descuidando em relação à doença, em declarações feitas pouco antes de autoridades de saúde anunciarem uma alta diária de 1.397 no número de casos de covid-19 no país, quase o dobro da contagem de segunda-feira, o que eleva o total de infecções na França a 204.172.
"Se não agirmos coletivamente, vamos nos expor ao risco elevado de que a nova onda da epidemia se torne difícil de ser controlada", disse Castex durante visita a um hospital no Sul da França.
Também nessa terça-feira, o presidente francês, Emmanuel Macron, disse, em uma videoconferência com ministros, que a França vai adotar novas restrições para as 20 maiores cidades do país, visando a conter a taxa de infecções, e prorrogar até 31 de outubro a proibição a eventos com mais de 5 mil pessoas. Sobre o risco de um novo lockdown no país, Castex afirmou que "ninguém quer passar por isso novamente".
O primeiro-ministro acrescentou que a testagem tem sido "mais do que satisfatória", com mais de 600 mil exames conduzidos por semana, mas que ainda é possível testar mais pessoas com sintomas.
Comentários CORRIGIR TEXTO