Porto Alegre, quarta-feira, 29 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 29 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

Atualizada em 19h36min, 29/07/2020.

Trump desiste de postura mais moderada em relação à pandemia de Covid-19 e volta a defender uso de cloroquina

Trump tem mostrado descontentamento com a popularidade do imunologista Anthony Fauci (e)

Trump tem mostrado descontentamento com a popularidade do imunologista Anthony Fauci (e)


ALEX WONG/AFP/JC
A mudança de atitude de Donald Trump envolvendo a pandemia durou pouco. Nesta terça-feira (28), o presidente dos Estados Unidos voltou a criar polêmica sobre o novo coronavírus ao transmitir informações erradas sobre os tratamentos e se apresentando como uma vítima de ataques injustos sobre sua gestão da crise sanitária.
A mudança de atitude de Donald Trump envolvendo a pandemia durou pouco. Nesta terça-feira (28), o presidente dos Estados Unidos voltou a criar polêmica sobre o novo coronavírus ao transmitir informações erradas sobre os tratamentos e se apresentando como uma vítima de ataques injustos sobre sua gestão da crise sanitária.
Visivelmente cansado durante uma coletiva de imprensa, Trump mostrou seu descontentamento com a popularidade do imunologista Anthony Fauci e de outros cientistas do gabinete de crise da presidência contra a pandemia. Em abril, ele tuitou pela demissão do médico. "Eles são muito respeitados, mas ninguém gosta de mim, deve ser por causa da minha personalidade", declarou Trump. A declaração ocorre a menos de 100 dias das eleições presidenciais e em um momento em que as pesquisas de intenção de voto apontam o democrata Joe Biden como favorito.
Na noite de terça, o Twitter removeu um vídeo publicado por Trump contendo informações falsas sobre o novo coronavírus. De acordo com um porta-voz da rede social, ouvido pela agência de notícias AFP, os tuítes e o vídeo violavam a política de desinformação sobre a Covid-19. O mesmo vídeo foi excluído pelo Facebook sob a justificativa de que compartilhava informações falsas sobre curas e tratamentos para a doença.
As imagens do vídeo mostravam um grupo de médicos fazendo afirmações falsas sobre a pandemia do novo coronavírus. Diziam, por exemplo, que máscaras não são necessárias para conter a doença e que "existe um tratamento" para a Covid-19: a hidroxicloroquina. Pesquisa recente da Associação Paulista de Medicina, mostra que 48,9% de quase 2 mil profissionais entrevistados em todo o Brasil relataram pressões de pacientes ou parentes para prescrever remédios sem comprovação científica. Médicos brasileiros, inclusive, foram à Justiça para não receitar o medicamento.
O presidente republicano promoveu o uso da cloroquina como solução para o coronavírus desde o início da pandemia, mas diversos estudos científicos descartaram sua eficácia. Ele, inclusive, afirmou, em maio, estar fazendo uso do medicamento. A Agência de Medicamentos Americana (FDA) retirou a autorização para que o remédio fosse receitado por médicos no tratamento de casos graves.
Após ser questionado sobre o porquê da insistência no uso da hidroxicloroquina, Trump afirmou que tem "lido muito" sobre o medicamento e que o tema estava politizado. "Quando recomendo algo, vocês gostam de dizer 'não usem'", completou.
Em razão do efeito dos resultados de pesquisas de opinião sobre as eleições presidenciais de novembro, Trump vinha mudando a narrativa sobre a pandemia. Ele reconheceu a gravidade da crise sanitária, pediu à população que usasse máscara e alardeou sua relação excelente como os especialistas do grupo que presta assessoria à Casa Branca.
Depois de uma melhora, a pandemia ganhou ainda mais força nos Estados Unidos. Segundo levantamento da agência de notícias britânica Reuters, 1,3 mil pessoas morreram no país apenas na terça-feira, no maior número desde maio. Seis Estados - Arkansas, Califórnia, Flórida, Oregon e Texas - bateram o recorde diário de óbitos.

Presidente dos EUA acusa Anthony Fauci de ter impulsionado o vírus pra prejudicar reeleição

Com o cenário desfavorável, Trump voltou a atacar Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas. Na terça-feira presidente compartilhou uma teoria da conspiração segundo a qual o especialista ajudou a impulsionar o vírus a fim de evitar sua reeleição. O presidente também compartilhou um comentário de podcast em que um ex-assessor diz que Fauci enganou os norte-americanos em vários assuntos.
"O senhor pode continuar fazendo o seu trabalho quando o presidente questiona publicamente a sua credibilidade?", perguntou a Fauci um jornalista do canal ABC. "Eu não tuíto. Sequer leio os tuítes", respondeu o pesquisador. "Não enganei os norte-americanos sob hipótese alguma. Estamos no meio de uma crise, uma pandemia. Foi para isso que me treinei durante toda a minha vida profissional."
Ao ser perguntado sobre as pesquisas em andamento envolvendo possíveis vacinas, Fauci disse ser "cautelosamente otimista" em relação a notícias positivas que chegariam "no fim do outono e começo do inverno".
Comentários CORRIGIR TEXTO