Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 14h03min, 17/07/2020. Alterada em 14h03min, 17/07/2020.

Coronavírus se estabilizou no Brasil, mas ainda não há queda sustentada, diz OMS

Crescimento da epidemia no País já não é exponencial, como em abril, maio e junho

Crescimento da epidemia no País já não é exponencial, como em abril, maio e junho


FABRICE COFFRINI/AFP/JC
Nesta sexta-feira (17) o diretor-executivo da Organização Mundial da Saúde (OMS), Mike Ryan analisou o quadro atual do coronavírus no Brasil, em entrevista coletiva em Genebra, na Suíça. Segundo ele, o número de casos da doença se estabilizou na casa dos 40 mil nas últimas semanas, mas ainda não apresentam uma tendência de queda sustentada. "O vírus ainda dita a regra em muitos países, inclusive no Brasil", alertou.
Nesta sexta-feira (17) o diretor-executivo da Organização Mundial da Saúde (OMS), Mike Ryan analisou o quadro atual do coronavírus no Brasil, em entrevista coletiva em Genebra, na Suíça. Segundo ele, o número de casos da doença se estabilizou na casa dos 40 mil nas últimas semanas, mas ainda não apresentam uma tendência de queda sustentada. "O vírus ainda dita a regra em muitos países, inclusive no Brasil", alertou.
Ryan destacou que o crescimento da epidemia no País já não é exponencial, como em abril, maio e junho. Ele explicou que a taxa de reprodução, conhecida como R, recuou da faixa de R1,5 a R2 para cerca de R1, o que significa que, na maioria dos estados, um pessoa contaminada já não infecta mais de um indivíduo. "Mas não há nenhuma garantia de que os casos vão começar a diminuir sozinhos", ponderou, lembrando que 11% dos diagnósticos estão em profissionais da saúde.
O médico também exortou governos a comunicarem os riscos de transmissão da Covid-19 "de forma clara". Sobre a missão de especialistas da OMS que investiga a origem do vírus na China, ele disse que não há um prazo para a divulgação dos resultados das apurações.
Comentários CORRIGIR TEXTO