Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Relações internacionais

- Publicada em 10h34min, 09/07/2020. Alterada em 10h34min, 09/07/2020.

Austrália suspende tratado de extradição com Hong Kong

A Austrália decidiu suspender seu tratado de extradição com Hong Kong e ofereceu aos cidadãos do território que morem no país a possibilidade de ficarem definitivamente, em resposta à decisão da China de impor nova legislação de segurança nacional sobre Hong Kong. O movimento provavelmente irá inflamar ainda mais as tensões com Pequim, que considerou o anúncio como uma violação de tratados de não intervenção.
A Austrália decidiu suspender seu tratado de extradição com Hong Kong e ofereceu aos cidadãos do território que morem no país a possibilidade de ficarem definitivamente, em resposta à decisão da China de impor nova legislação de segurança nacional sobre Hong Kong. O movimento provavelmente irá inflamar ainda mais as tensões com Pequim, que considerou o anúncio como uma violação de tratados de não intervenção.
O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, disse na quinta-feira (9) que a lei de segurança nacional constitui "uma mudança fundamental das circunstâncias em relação ao acordo de extradição com Hong Kong" e que a Austrália notificou formalmente as autoridades de Hong Kong e da China da decisão. Ele também afirmou que cerca de 10 mil residentes de Hong Kong na Austrália com visto de estudante ou trabalho temporário teriam a chance de prorrogá-los por cinco anos, com caminho para a residência permanente no final desse período.
Na semana passada, o Canadá também suspendeu seu tratado de extradição com Hong Kong, enquanto o Reino Unido ofereceu um caminho para a cidadania para até três milhões de habitantes de Hong Kong. A Nova Zelândia disse quinta-feira que está revendo seu relacionamento com a cidade, incluindo acordos de extradição, controles sobre exportações de bens estratégicos e conselhos de viagem.
"Existe claramente uma coordenação estreita entre os países do Five Eyes", disse Michael Shoebridge, ex-principal oficial de inteligência de defesa da Austrália, referindo-se a uma rede de compartilhamento de inteligência entre a Austrália, Canadá, Nova Zelândia, Reino Unido e EUA.
Comentários CORRIGIR TEXTO